As 7 Maravilhas Da Cultura Popular® Estão Aí

2020 é o ano de eleger as 7 Maravilhas da Cultura Popular® , as candidaturas já estão abertas e decorrem até 1 de março, e as categorias a concurso são 7.

As categorias a concurso são: Artesanato; Lendas e Mitos; Festas e Feiras; Músicas e Danças; Rituais e Costumes; Procissões e Romarias e Artefactos, e “permitem a organização e comparação de todos os Patrimónios, independentemente da sua natureza. O que interessa avaliar é o valor de cada manifestação cultural, enquanto afirmação distintiva do seu território”.

Segundo os responsáveis, a intenção desta iniciativa é “Promover o património cultural imaterial de Portugal, elevando a nossa cultura popular a um patamar de causa pública e de atracção turística: do artesanato às feiras, lendas, romarias, músicas, danças e outras tradições”.

Uma candidatura pode ser individual ou incluir 7 patrimónios.

Este ano, os candidatos são votados por cada um dos 18 distritos e pelas duas regiões autónomas, durante 20 programas de daytime em direto, a realizar nos meses de julho e agosto. Haverá nesta fase 7 candidatos por distrito e regiões autónomas, num total de 140 patrimónios candidatos, sendo que em cada programa na RTP será apurado um pré-finalista que passa às semifinais.

Haverá também um programa de repescagem, no qual os 20 segundos classificados nas eliminatórias regionais do concurso serão submetidos a uma nova votação, com o objetivo de apurar os 8 mais votados que se irão juntar aos já pré-finalistas.

Os 28 pré-finalistas são divididos por sorteio pelas duas semifinais, transmitidas em direto na RTP1, em cada semifinal são apurados os 7 patrimónios com mais votos contabilizados. Dos 14 finalistas apurados vão ser eleitos 7 patrimónios como 7 Maravilhas da Cultura Popular®.

A apresentação das semifinais e da Gala Final, a decorrer a 5 de setembro, estará mais uma vez a cargo de Catarina Furtado e José Carlos Malato.

Categorias:

Artesanato
Considera-se todo o objeto produzido em trabalho manual por um ou mais artesãos, em qualquer material, e que seja utilizado num cariz de elemento estético ou de exposição. Deve representar a tradição cultural da região em que está inserido. Exemplos: Bordados da Madeira, Filigrana, Máscaras de Barro, Cestaria, Olaria, Renda de Bilros, Objetos em Osso de Baleia, Tapetes de Arraiolos, Azulejos.

Lendas e Mitos
Lenda é uma narrativa fantasiosa transmitida pela tradição oral através dos tempos.
De caráter fantástico e/ou fictício, as lendas combinam fatos reais e históricos com fatos irreais que são meramente produto da imaginação aventuresca humana. Uma lenda pode ser também verdadeira, o que é muito importante.
Exemplos: Lenda da Nazaré, Lenda do Galo de Barcelos, Padeira de Aljubarrota, Mouras Encantadas, Lenda das Sete Cidades, Lenda de Machim.

Festas e Feiras
Festas e Feiras são considerados todos os eventos de cariz tradicional, cultural, festivo, infantil, popular e religioso, que sejam organizados e celebrados de forma periódica ou com organização anual. A Festa ou Feira deve representar uma tradição local e realizar-se de forma corrente num período superior a 10 anos.
Exemplos: Festa do Colete Encarnado, Carnaval de Torres Vedras, Ovibeja, Fatacil, Expofacic, Festas de Campo Maior, Festa dos Tabuleiros de Tomar, Feira de São Mateus, Feira da Castanha, Feira Nacional do Cavalo.

Músicas e Danças
Música e Danças são todos os fenómenos acústicos ou de movimento que nos remetam para uma origem popular. Traduzem-se por músicas e danças tradicionais de um povo que se transmite ao longo de gerações. Incluem-se música ou dança folclórica de cariz popular. Não se inclui música ou dança erudita, de cariz religioso, jazz e outras vertentes musicais. A música e a dança admitem uma ligação a uma comunidade fazendo parte da história e património imaterial desse território.
Exemplos: Cante Alentejano, Fado de Coimbra, Bandas Filarmónicas, Vira do Minho, Fandango do Ribatejo, Pauliteiros de Miranda, Bailinho da Madeira.

Rituais e Costumes
Rituais e Costumes consideram-se um conjunto de práticas consagradas por tradições ou normas que são observadas de forma invariável em certas cerimónias de cariz popular, religioso ou profano. Podem igualmente tornar-se mitos. Deverão representar a região em que estão inseridos.
Exemplos: Carnaval dos Caretos de Podence, Pesca tradicional no Rio Guadiana, Vindima do Douro, Apanha da Azeitona tradicional, Dieta Mediterrânica.

Procissões e Romarias
Procissões e Romarias são consideradas todas as peregrinações de cariz tradicional, religioso ou profano, que sejam organizadas e celebradas periodicamente. Que agreguem um conjunto de peregrinos que também podem envolver-se em eventos sociais como festejar, cantar e dançar.
Exemplos: Celebração da Ria com uma Regata de moliceiros, Romaria em honra de Nossa Senhora do Bom Despacho, Romaria de Nossa Senhora dos Remédios, Procissão das Velas, Procissões da Quaresma.

Artefactos
Consideram-se todos os objetos feitos pelo homem em qualquer material, que fornecem indicações sobre a época a que pertenceram e que sejam utilizados com cariz utilitário, quer para as vivências do quotidiano, quer para as funções produtivas.
Exemplos: Concertina, Gaita de Foles, Charrua, Cocho, Mantas de Burel, Cestas de
Vime, Chapéus de Palha.

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.