Arte do documentário regressa em mais um Doclisboa

doc_lisboa_2013Decorre até 3 de novembro a 11ª edição do Doclisboa – Festival Internacional de Cinema. Organizado pelo Cinema São Jorge – EGEAC, E.M., em coprodução com a APORDOC – Associação pelo Documentário, o evento volta a marcar presença um pouco por toda a cidade.

Culturgest, Cinema City Alvalade, Cinema São Jorge e Cinemateca são apenas alguns dos locais por onde passarão 244 filmes oriundos de 40 países. Destes, 123 são longas-metragens, 46 filmes portugueses, 42 primeiras obras e 36 estreias mundiais.

A relação entre a vida íntima pessoal e a vida comum dos povos; o arquivo enquanto signo do passado e o diálogo entre diferentes gerações de cineastas são os três eixos da programação do Doclisboa, aos quais se junta um outro sempre presente: o cinema português.

A destacar são duas retrospetivas: uma do realizador francês Alain Cavalier, em parceria com a Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema, e outra de nome Moving Stills – Fotografia, Fotógrafos e Documentário, comissariada por Federico Rossin.

Entre as novidades de programação está o foco dado aos 40 anos do fim da Unidade Popular do Chile com 1973-2013. O Golpe militar no Chile: 40 anos depois.

Para além das sessões, o Doclisboa convida a assistir à secção Passagens, dedicada ao tema Arquivo. Instalações de Harmut Bitmosky, Elizabeth Price e Camile Henrot marcam presença no Carpe Diem Arte e Pesquisa, enquanto que o Museu da Eletricidade apresenta os 14 episódios de Berlin Alexanderplatz, de Rainer W. Fassbinder.

Texto de Alexandra Gil

 

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.