Projeto Almenara Une Castelo De São Jorge E De Palmela A 17 De Setembro

Almenara é o nome do projeto que vai unir no próximo dia 17 de setembro os Castelos de São Jorge – em Lisboa e o Castelo de Palmela.

O projeto é inspirado no episódio histórico vivido pelos dois castelos há 633 anos e apresenta uma programação com várias experiências turístico-culturais, que arranca no próximo sábado, dia 17 de setembro.

Almenara pretende recriar o episódio em que, durante o cerco de Lisboa pelos castelhanos, o Condestável D. Nuno Álvares Pereira – após a vitória na batalha dos Atoleiros (1384) – acendeu uma Almenara (fogueira de grandes dimensões) no Castelo de Palmela para alertar o Mestre de Avis, em Lisboa, de que a ajuda estava próxima..

E é a partir deste ritual que tudo se vai desenrolar, no sábado, dia 17 de setembro, às 21h00, em simultâneo nos Castelos de São Jorge e de Palmela, com dois espetáculos independentes mas que se interligam na sua lógica conceptual, técnica e artística, com projeções comuns visíveis nos dois municípios, através do recurso à tecnologia.

O espetáculo em Palmela está a cargo de João Brites e tem como tema “Até Uma Ovelha Pode Voar”, inspirado no pastoreio e nas ovelhas, que são os elementos centrais do espetáculo Ritual Almenara Palmela. O espetáculo inclui ainda balões brancos, ovelhas ficcionadas e música, a cargo do maestro Jorge Salgueiro.

almenaraAquando a apresentação à imprensa, em Lisboa, João Brites fez questão de salientar que “Este espetáculo é uma metáfora, na qual as ovelhas são refugiados, soldados, e todos aqueles que procuram ajuda. Fala também de cidadania, do humanismo, para além da pastorícia é claro, que naquela altura dominava a zona de Palmela”.

Sonhamos assim com Ovelhas que voam, como signo da imaginação que pode alcançar todos os impossíveis, como signo de uma fogueira acesa que permite ainda a esperança e a utopia.

Aqui, o evento iniciar-se-á ao final do dia, com vários rebanhos de ovelhas a aproximarem-se do Castelo de Palmela e atravessando as ruas da Vila, “qual exército que galga até ao objetivo na vontade de o sitiar (este percurso será registado através de filmagem aérea para ser projetado durante o espetáculo).

Já do lado de Lisboa, o Ritual Almenara Lisboa está a cargo de Jorge Ribeiro, e da Companhia da Esquina e “celebra a lusitanidade e os padrões das subculturas de Lisboa, enquanto lugar de muitas línguas, de fluxos transitórios de gentes, de repositório de memórias culturais e etnológicas. “Uma transmigração de pessoas que o tempo se encarrega de assimilar, transformando em tempo estrutural os costumes herdados, rituais e comunhão de culturas representados por fenómenos de expressão etnológica como o fado, a língua ou a ligação ao Atlântico, através de um espetáculo com performances teatrais e musicais, a cargo de uma orquestra de cerca de 12 elementos, e onde não faltará o cavalo lusitano”, explicou Jorge Ribeiro aquando a apresentação.

“O espetáculo em Lisboa pretende celebrar um evento de características contemporâneas com acentuada presença de uma simbologia urbana e recorrendo a uma etnologia da cidade de Lisboa, como é por exemplo o fado ou a estrutura operática do evento. Depois do Caos que a guerra provoca, o início da paz gera uma nova possibilidade, despoleta um ciclo de paixões e de pulsões anímicas que elevam e entusiasmam as gentes. Pretendemos assim aproveitar, através da performance e das coreografias e da dança aérea, essa pulsação, esse temor e essa celebração. É nossa vontade contaminar também esta emoção às paredes do Castelo de S. Jorge através da multimédia e de modo a pintar as paredes do Castelo com as tensões e paixões do percurso da encenação que se auxilia de um trajeto musical”.

almenara-002

O programa inclui ainda uma visita encenada, com a duração de um dia, que estabelece uma ligação histórica entre os dois castelos, um jogo de tabuleiro em tamanho real, uma instalação de figuras lúdicas para fotografias, uma sinalética associada ao projeto e workshops e fam trips com operadores turísticos são algumas das iniciativas a realizar nos dois monumentos nacionais.

O projeto é uma parceria do Município de Palmela e do Município de Lisboa, através da EGEAC – Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação cultural, E.M, e com o apoio da Entidade Regional de Turismo de Região de Lisboa (ERT-RL), tem um custo de 473 000 euros e pretende valorizar os dois monumentos nacionais e diversificar a oferta turística da Região de Lisboa.

Almenara pode ser visto em Lisboa no Castelo de São Jorge e no Castelo de Palmela, no dia 17, às 21h00, com entrada gratuita, mas mediante reserva para os respetivos castelos.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.