Ala dos Namorados mostraram Razão de Ser no CCB

Reportagem de Madalena Travisco e António Silva 

ala_namorados_01

Depois de uma tournée de cerca de 20 concertos por todo o país, chegou a vez da Ala dos Namorados apresentar A Razão de Ser, no Grande Auditório do Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

Neste trabalho lançado no início de 2013 e que revisita 15 canções acompanhadas por outros nomes da música entre instrumentistas e cantores, foram muitos e bons os convidados que, com Nuno Guerreiro e Manuel Paulo, encheram de cor e de boa música o palco do CCB na noite de 9 de dezembro.

Da galeria de artistas que com eles gravaram este disco de duetos, apenas Ritinha Lobo e Cristina Branco estiveram ausentes. De resto, todos – para “grande privilégio e imensa responsabilidade” nas palavras de Manuel Paulo – partilharam o palco desta noite no CCB: Jorge Palma no “Há Dias” e também com Luanda Cozetti nos “Loucos de Lisboa”, António Zambujo no “Samba de um Crime”; Rui Pregal da Cunha no “Fim do Mundo”, Carlão na “Razão de Ser”, Dany Silva e Rão Kyao no “Ao Sul”, Carlos do Carmo nos “Mistérios do Fado”, Raquel Tavares na “História do Zé Passarinho” e os Shout no “Caçador de Sóis”.  Também estiveram presentes Jorge Benvindo que partilhou o “Olha por Ti” e Susana Felix no “Luar um Dia” que não sendo temas deste album se juntaram a outros temas, alguns deles novidade.

Carlão teve razão quando, na interpretação do dueto da “Razão de Ser”, fez uma adaptação aos nomes que estiveram e iam estar em palco, referindo: “Vale sempre a pena… Com a Ala dos Namorados é tudo de bom. Espero que esta energia passe daqui do palco. Vou botar para cima porque estes rapazes merecem! Vale sempre a pena!”.

Cheio de momentos mágicos e esplendorosas interpretações de todos, o segundo encore fechou com chave de ouro quando Nuno Guerreiro chamou ao palco todos os que partiparam no concerto para uma interpretação coletiva, colorida e divertida dos “Loucos de Lisboa”.

Uma nota final para a composição da Ala dos Namorados: Alexandre Frazão na bateria, Zé Nabo no baixo acústico, Ruben da Luz no trombone e percursão, Mário Delgado na guitarra acustica e elétrica, Pedro Vidal no Banjo, guitarra acústica e elétrica, Nuno Guerreiro diretamente de Loulé e o senhor Manuel Paulo.

“Valeu Mesmo a Pena!”

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.