A Vida de Maria Bethânia é Bonita, é Bonita e é Bonita

Maria Bethania
Maria Bethania

Reportagem de Madalena Travisco (texto) e Joice Fernandes (fotografias)

Abraçar e agradecer foi a forma de Maria Bethânia celebrar os 50 anos de carreira. Tendo esgotado o Coliseu do Porto no passado sábado dia 24 e com espetáculo extra para hoje dia 28, a noite de ontem no Coliseu de Lisboa mostrou que Maria Bethânia agradecia ter o que agradecer.  

“Eterno em mim” foi o primeiro dos muitos temas com que (en)cantou em mais de duas horas de um show perfeito nas luzes, nos músicos, no som, na silhueta da Senhora que mantém os cabelos rebeldes – ainda que mais grisalhos – os pés descalços e a voz quente de sempre. A voz que canta e declama com a mesma intensidade, e que faz render o Coliseu em particular nos temas mais intemporais como “A tua presença morena”, “Nossos momentos”, “Começaria tudo outra vez”, “Gostoso demais”, “Tatuagem”, “Oração de mãe menininha”, “Agradecer e abraçar”, “Sou eu mesmo o trocado”.

Um Coliseu repleto de gente de pé retribuiu acenando “Obrigado Bethânia” – um flash mob desencadeado a partir desta frase” “Quando a Bethânia voltar ao palco para cantar o bis, levantemos este papel para lhe agradecer os momentos maravilhosos que nos tem dado nestes 50 anos de carreira”.

[satellite auto=on caption=off thumbs=on]

Foi bonito, quase mágico. Entre obrigadas: “obrigada, muito obrigada”, vénias e aplausos, Bethânia rendeu-se a um público já rendido. “Explode coração” exaltou as vozes antes de uma saída alegre ao ritmo do “O que é que é?”

 (…)Viver e não ter a vergonha de ser feliz
Cantar e cantar e cantar, a beleza de ser um eterno aprendiz
Eu sei , eu sei, que a vida devia ser bem melhor e será
Mas isso não impede que eu repita: É bonita, é bonita e é bonita (…)

 

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.