A Temporada 19/20 Da Gulbenkian Música Já É Conhecida

A nova temporada da Gulbenkian Música será uma temporada de celebração: os 150 anos do nascimento de Calouste Gulbenkian, os 250 anos do nascimento de Ludwig van Beethoven e ainda os 50 anos de Michel Corboz como maestro do Coro Gulbenkian.

O Coro e Orquestra Gulbenkian vão estar em grande evidência com Lorenzo Viotti, maestro titular da Orquestra, a assumir a direção de nove programas num total de 18 concertos.
Após uma longa ausência, destaca-se o regresso da pianista Maria João Pires para três recitais, de Mikhail Pletnev e do violinista Gil Shaham.

Grandes intérpretescomo Joyce DiDonato, Christian Gerhaher, Jordi Savall, Mitsuko Uchida, Grigory Sokolov, Martha Argerich, Mischa Maisky ou Isabelle Faust, estarão entre os músicos convidados. Jovens promessas como Behzod Abduraimov (em residência para três atuações), Seong-?Jin Cho, Daniel Lozakovich, Vilde Fange e Camilla Nylund, apresentam-se pela primeira vez na Gulbenkian Música.

Michel Corboz dirige os grandes concertos de Natal e da Páscoa, este ano com um motivo extra de celebração: a evocação do seu primeiro concerto como maestro do Coro Gulbenkian, realizado em dezembro de 1969. Os programas são totalmente dedicados a Johann Sebastian Bach: a Oratória de Natal (13, 14 15 e 16/12) e a Paixão Segundo São João (8 e 9/4).

Nesta temporada, o maestro suíço dirigirá também a Pequena Missa Solene de Rossini na Igreja de São Roque (11/10). São Roque será ainda palco do tradicional concerto do Coro Gulbenkian no último dia do ano, dirigido pelo maestro-adjunto do Coro, Jorge Matta, com um programa composto por cantos marianos – Magnificats – de épocas distintas (31/12). Matta dirige também o Coro no Panteão Nacional com obras que atravessam vários séculos, de Claudio Monteverdi a Iannis Xenakis (27/9).

Nesta sua segunda temporada como maestro titular da Orquestra Gulbenkian, Lorenzo Viotti vai dirigir algumas das mais notáveis obras do reportório sinfónico e coral-sinfónico. No concerto de abertura dará a ouvir a 3ª Sinfonia de Mahler, uma obra nunca antes tocada pela Orquestra Gulbenkian (17 e 18/10), seguindo-se 7ª Sinfonia de Dvo?ák (21 e 22/11), a 6ª Sinfonia de Beethoven (20 e 21/2), a 9ª Sinfonia de Bruckner (12 e 13/3), a Sinfonia Lírica de Zemlinsky e A Noite Transfigurada de Schönberg, com o barítono Matthias Goerne (26 e 27/3). Dirigirá também o Concerto para Violino e Orquestra, de Chostakovitch, com Vilde Fang (2 e 3/4) e o Concerto para Piano, de Rachmaninov, com Behzod Abduraimov (28 e 29/5).

Já Giancarlo Guerrero, maestro convidado principal da Orquestra Gulbenkian, dirige três programas com grandes solistas: Antonio Meneses (11/10), Daniel Lozakovich (5 e 6/12) e Nelson Freire (7 e 8/5).
Leonardo García Alarcón, maestro associado, dirige a ópera Erismena e dois concertos: A Criação, de Haydn (13 e 14/2), e Mattutino de’Morti, de David Perez, compositor napolitano que trabalhou na corte de D. José (31/10 e 1/11).
Nuno Coelho, maestro convidado, dirige a Orquestra em quatro ocasiões, a primeira das quais no Festival Lisboa na Rua, no Vale do Silêncio (14/9).

A Orquestra Juvenil Gustav Mahler volta a partilhar a sua alegria contagiante com o público da Gulbenkian Música em dois concertos dirigidos pelo decano maestro sueco Herbert Blomstedt. Junta-se-lhe o notável barítono alemão Christian Gerhaher, para interpretar as Canções de Rückert, de Gustav Mahler e as Canções Bíblicas, de Antonín Dvo?ák. O programa inclui ainda o poema sinfónico Morte e Transfiguração de Richard
Strauss, 3ª Sinfonia de Beethoven (7/9) e a 6.ª Sinfonia de Bruckner (8/9). Mitsuko Uchida apresenta-se com a Mahler Chamber Orchestra, (13/1) e também num recital a solo (17/4). Martha Argerich atua com o violoncelista Mischa Maisky (10/2), Joyce DiDonato com Il pomo d’oro (20/5) e a violinista Isabelle Faust tocará um programa totalmente dedicado a Bach. (28/9).

Ciclo Maria João Pires

Nesta sua residência na Gulbenkian Música, Maria João Pires apresenta três recitais. A primeira atuação dá-se no âmbito dos 150 anos do nascimento de Calouste Gulbenkian, com um programa que inclui canções arménias, com a soprano Talar Dekrmanjian, e o Impromptus D.935 de Schubert (23/9). Maria João Pires completará a sua residência com mais dois concertos: a quatro mãos com a pianista arménia Lilit Grigoryan, num programa exclusivamente dedicado a Mozart (13/11), e a solo, com obras de Debussy e Beethoven (21/3).

Pianistas

O ciclo de piano vai trazer intérpretes como Seong-Jin Cho (13/10), Arcadi Volodos (10/11), Nikolai Lugansky (2/12), Jan Lisiecki (6/1), Mikhail Pletnev (8/2), Elisabeth Leonskaja (9/3), Leif Ove Andsnes (29/3), Behzod Abduraimov (4/4) e Grigory Sokolov (18/5).

Behzod Abduraimov dará também um concerto com a Orquestra Gulbenkian dirigida por Lorenzo Viotti (21 e 22/11); Javier Perianes atuará com Hannu Lintu (7 e 8/11), Beatrice Rana com Nuno Coelho (23 e 24/1), Alexei Volodin com Jaime Martín (29 e 30/1), e Nelson Freire com Giancarlo Guerrero (7 e 8/5).

Os 150 anos do nascimento de Calouste Gulbenkian são evocados num ciclo inspirado no diálogo Oriente-Ocidente. O Gurdjieff Ensemble apresenta-se com o trio Hewar e a pianista Lusine Grigoryan tocará peças baseadas em canções e danças do folclore da Arménia (21/9).

O público poderá também assistir à estreia nacional de três obras do jovem compositor francês, de origem libanesa, Benjamin Attahir, que estabelecem sugestivas pontes entre o Oriente e o Ocidente (26/9, 24 e 25/10 e 7 e 8/11). Uma das obras, Al Fajr, para piano e orquestra, foi estreada por Daniel Barenboim na Pierre Boulez Saal, em Berlim, e a peça Adh Dhohr foi escrita para orquestra e um instrumento raro, o serpentão.

Mestre também em criar pontes entre diversas geografias e tempos distantes, Jordi Savall conduz-nos pela Rota do Oriente, com a sua La Capella Reial de Catalunya – Hespèrion XXI e músicos convidados do Japão, Índia e Afeganistão. João Grosso será o narrador (21/10).

Ainda no quadro deste ciclo, o Coro Gulbenkian atua com o pianista Tigran Hamasyan, um músico que cruza o reportório clássico com o jazz e a música tradicional arménia (18/11).

Beethoven, Dois Séculos e Meio Depois

A invocação dos 250 anos do nascimento de Ludwig van Beethoven será pretexto para a apresentação integral dos seus quartetos de cordas ao longo de um fim de semana. Este festival, organizado em colaboração com a Bienal de Quartetos de Cordas da Philharmonie de Paris, juntará o Mettis Quartet, o Castalian String Quartet, o Schumann Quartett, o Quatuor Van Kuijk, o Novus String Quartet e o Meccore String Quartet (25 e 26/1).

Vários pianistas convidados interpretarão a integral das sonatas para piano do mestre alemão e a Orquestra Gulbenkian associa-se às comemorações apresentando, ao longo de 2020, todas as sinfonias de Beethoven.

Ópera

Lorenzo Viotti dirige a ópera Evgeni Onegin de Tchaikovsky, com acção cénica de Kristiina Helin (6 e 8/3). Serão também apresentadas duas produções do Festival de Aix-en-Provence. Erismena, uma ópera seiscentista de Franceco Cavalli, será tocada pela Cappella Mediterranea, dirigida por Leonardo García Alarcón, com encenação de Jean Bellorini e um elenco encabeçado pela soprano Judith Fa. Esta ópera foi coproduzida pela Fundação Gulbenkian e Les Theátres de la Ville de Luxembourg, com o apoio Enoa (4 e 5/5). Também em coprodução com o Festival de Aix-en-Provence e apoio Enoa, é apresentada a ópera The Sleeping Thousand de Adam Maor, dirigida por Elena Schwarz, maestrina assistente de Gustavo Dudamel na Orquestra Filarmónica de Los Angeles (16/1).

Cinema e Música

Depois do sucesso da exibição do primeiro filme da saga A Guerra das Estrelas segue-se, esta temporada, O Império Contra-Ataca. A épica banda sonora de John Williams será tocada ao vivo pela Orquestra Gulbenkian, uma vez mais dirigida pelo maestro brasileiro Thiago Tiberio (9, 10 e 11/1).

Fantasia, de Walt Disney, será o filme que se segue. A banda sonora, composta por algumas das mais brilhantes peças musicais do reportório clássico, será dirigida pelo maestro Nuno Coelho (20, 21 e 22/12).

Um dos grandes clássicos do género musical, Singin’ in the Rain (Serenata à Chuva), da dupla Stanley Donen e Gene Kelly, será também projetado no Grande Auditório, desta vez com o maestro Anthony Gabriele à frente da Orquestra Gulbenkian (29 e 30/4).

Concertos Participativos

Os concertos participativos, que juntam cantores amadores ao Coro Gulbenkian, apresentam, esta temporada, a Missa composta por Leonard Bernstein para a inauguração do Kennedy Center for the Performing Arts em Washington. A Escola de Jazz do Hot Clube de Portugal e a Orquestra Geração juntam-se à Orquestra Gulbenkian neste espetáculo, que será dirigido por Clark Rundell, com a participação do barítono Jubilant Sykes e ação cénica de Marie Mignot (30/11 e 1/12).

Concertos de Domingo

Uma novidade nesta temporada serão as pequenas conversas sobre música e ciência durante os Concertos de Domingo, resultantes de uma parceria com o Instituto Gulbenkian de Ciência. No primeiro concerto, Pedro Neves dirige a música que Michel Legrand compôs para o filme Les Parapluies de Cherbourg, de Jacques Demy (17/11), e no segundo, Paolo Bortolameolli conduz O Quebra-Nozes, de Tchaikovsky (19/1), entre outras obras. Segue-se um programa dirigido pelo maestro Tobias Wögerer em que o Danúbio Azul surge como uma das peças em destaque (9/2). Lorenzo Viotti dirige Quadros de uma Exposição de Mussorgsky/Ravel (1/3) e, finalmente, no último concerto, com o maestro Nuno Coelho, será tocado o célebre Guia de Orquestra para Jovens, de Benjamin Britten (17/5).

Concertos de Entrada Livre

A Orquestra Gulbenkian volta a participar no Festival Lisboa na Rua, apresentando um programa com árias de ópera no parque do Vale do Silêncio (14/9).
Jovens estrelas em ascensão (Rising Stars) mostram-se em mais um Domingo de Portas Abertas, este ano com um músico português entre os eleitos, o acordeonista João Barradas. Todos estes intérpretes foram escolhidos pela rede europeia de salas de concertos (ECHO) que a Fundação Gulbenkian integra (16/2).
Ao longo de três dias, o Festival Jovens Músicos apresenta vários concertos, dando a conhecer os artistas premiados nas várias categorias a concurso e consagrando o Jovem Músico do Ano no concerto de encerramento (3, 4 e 5/10).
Este ano, os concertos dos solistas da Orquestra Gulbenkian realizam-se aos domingos, às 12h00, no Grande Auditório.

Met Live in HD

As transmissões da Metropolitan Opera de Nova Iorque podem ser acompanhadas na Gulbenkian Música nos seguintes dias: Turandot (12/10), Manon (2/11), Madame Butterfly (7/12), Akhnaten (28/12), Wozzeck (18/1), Porgy and Bess (1/2), Agrippina (29/2), O Navio Fantasma (14/3), Tosca (11/4) e Maria Stuarda (9/5).

As subscrições para a temporada de música decorrem de 25 de maio a 27 de junho.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.