A Aluna Americana Chega Às Livrarias Nacionais

Chega amanhã aos escaparates das livrarias portuguesas, o romance A Aluna Americana, de João Pedro Marques, com chancela Porto Editora.

O autor do sucesso Uma Fazenda em África, com mais de 400 000 exemplares vendidos, regressa com o retrato de Portugal nos finais dos anos 60. A Aluna Americana, romance entre um professor universitário e uma estudante americana, com o auge dos Beatles e o maio 68 em pano de fundo, explora uma época em que conservadorismo e liberalismo estão em rota de colisão.

Novembro de 1968. Usam-se cabelos compridos e cores garridas, a música pop enche o ar de sons novos e electrizantes — os Beatles estão no auge —, e a França vai-se recompondo dos tumultos de Maio. Os progressos científicos são palpáveis e quase diários. O Homem está a dois passos da Lua, Barnard fez os primeiros transplantes cardíacos e a chamada revolução sexual avança no mundo ocidental, graças à pílula e à liberalização dos costumes. Portugal, ainda apertado na dolorosa tenaz da guerra em África, deposita muitas esperanças na Primavera Marcelista e procura agarrar os ventos que sopram lá fora e que lhe chegam a conta-gotas, filtrados pela censura.
É nesse contexto e nesse novembro que, por mero acaso, o professor universitário José Duarte Cincinnato de Sousa conhece Isabel Botelho, uma estudante de Românicas acabada de chegar dos Estados Unidos da América.
A Aluna Americana é a história da relação entre ambos, uma história de afectos e sentimentos que nos faz frequentemente passar da desempoeirada amplidão dos mundos exteriores para a estreita pequenez de um Portugal fechado. De passagem em passagem, iremos vendo como um homem conservador vive os prazeres, as dores e os desafios da sua paixão por uma mulher mais nova, para a qual nada é sagrado, excepto, talvez, o amor.

O romance, de 336 páginas, tem um preço de venda de 17,70 euros.

O lançamento da obra está agendado para o dia 26 de março, pelas 18h30, no El Corte Inglès, em Lisboa, com apresentação a cargo de Rita Ferro.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.