E À 35ª Edição O Jazz Em Agosto É Dedicado A John Zorn

A Fundação Calouste Gulbenkian acaba de divulgar a programação da 35ª edição do Jazz em Agosto que, este ano, se intitula John Zorn Special Edition. O festival, que vai decorrer de 27 de julho a 5 de agosto, é pela primeira vez inteiramente dedicado a uma única pessoa – John Zorn – e serão dezoito os concertos e cinco os filmes que contribuirão para a celebração da música do norte-americano.

Dificilmente o concerto de abertura poderia ser mais apropriado: na noite de sexta-feira 27 de julho, pelas 21h30, teremos a presença de, nem mais nem menos, o próprio homenageado, ao saxofone, que será acompanhado pelo guitarrista Thurston Moore, um dos elementos fundadores da banda Sonic Youth, e pelo baterista Milford Graves, naquilo que será uma formação inédita.

É possível que Zorn nem chegue a sair do palco na sexta-feira e aí permaneça até ao domingo, última ocasião em que teremos a oportunidade de o ver, quando fechar o fim-de-semana inaugural do festival. A noite de sábado, 28 de julho, em particular, promete: Zorn propõe uma sessão dupla, com dois quartetos, que interpretarão a peça The Book of Angels. O primeiro, o quarteto de Mary Halvorson, para além da guitarrista norte-americana, é composto também por Miles Okazaki numa outra guitarra, Drew Guess no baixo e Tomas Fujiwara na bateria. O segundo quarteto, intitulado Masada, para além de Zorn, conta também com o trompete de Dave Douglas, o contrabaixo de Greg Cohen e a bateria de Joey Baron.

As levas seguintes de concertos duplos terão a cargo a interpretação das composições de Zorn Bagatelles 1, Bagatelles 2 e (adivinhou) Bagatelles 3. A primeira destas composições está reservada para a segunda-feira, 30 de julho, e a responsabilidade da interpretação recai sob o Nova Quartet de John Medeski (piano), Kenny Wollesen (vibrafone), Trevor Dunn (contrabaixo e baixo) e Joey Baron (bateria) e o Asmodeus de Marc Ribot (guitarra), Trevor Dunn (desta feita só em contrabaixo) e Kenny Grohowski (bateria). Na quarta-feira, 1 de agosto, será a vez da Bagatelle 2 pelas (oito) mãos do Kris Davis Quartet, com o pianista que dá nome ao quarteto, assim como Mary Holvorson, Drew Guess e Kenny Wollesen (desta vez na bateria) e do John Medeski Trio que, para além do órgão Hammond de Medeski, tem também a guitarra de Dave Fiuczynski e a bateria de Calvin Weston. Finalmente, numa noite que também promete, Craig Taborn a solo, ao piano, e o Brian Marsella Trio, com Trevor Dunn e Kenny Wollesen tocarão a última das Bagatelles na noite de sábado, 4 de agosto.

Regressemos novamente ao final do primeiro fim-de-semana, à noite de domingo 29 de julho, para o último concerto de Zorn, desta feita com o projecto The Hermetic Organ, no qual o músico abandonará o saxofone e se encarregará de um órgão de tubos, ao mesmo tempo que Ikue Mori tocará, se assim se pode designar, um laptop. No mesmo dia, às 19h30 no Grande Auditório, Barbara Hannigan (voz) e Stephen Gosling (piano) darão corpo aos Jumalatteret.

A 31 de julho, terça-feira, haverá um filme-concerto, Pomegranate Seeds, com Ikue Mori, pelas 18h30 na Sala Polivalente. À noite, será a vez de Simulacrum, com John Medeski, Matt Hollenberg e Kenny Grohowski. A 2 de agosto, quinta-feira, numa noite que também promete bastante, Ikue Mori junta-se a Craig Taborn e a Jim Black na bateria para formar os Highsmith Trio. Na sexta-feira, 3 de agosto, a música de Zorn será executada pelas quatro guitarras de James Moore, Taylor Levine, Josh Lopes e Gyan Riley, que formam os Dither. A encerrar o dia, Insurrection volta a colocar Matt Hollenberg debaixo do holofote, juntamente com Julian Lage, Trevor Dunn e Kenny Grohowski. Os mesmos Julian Lage e Gyan Riley recorrerão às cordas das respetivas guitarras para tocar música de Zorn no último dia, domingo 5 de agosto, que encerrará o festival com a formação Secret Chiefs, com Trey Spruance (guitarra), Matt Lebofsky (teclados), Jason Schimmel (guitarra), Eyvind Kang (violino), Shanir Blumenkranz (contrabaixo e baixo), Kenny Grohowski e Ches Smith (percussão).

Uma palavra para as formações portuguesas The Rite of Trio, de André Bastos Silva (guitarra), Filipe Louro (contrabaixo) e Pedro Melo Alves (bateria), que estarão em acção no dia 30 de Julho, e o projecto Slow is possible, de João Clemente (guitarra), Ricardo Sousa (contrabaixo), Bruno Figueira (saxofone), André Pontífice (violino), Duarte Fonseca (bateria) e Nuno Santos Dias (piano), na quinta-feira, 2 de agosto, ambas pelas 18h30 no Auditório 2.

Os bilhetes podem ser adquiridos na bilheteira da Fundação Calouste Gulbenkian.

Preços:

Zorn – Moore – Graves: 20 euros
Mary Halvorson Quartet + Masada: 20 euros
Nova Quartet + Asmodeus: 18 euros
Kris Davis Quartet + John Medeski Trio: 18 euros
Craig Taborn + Brian Marsella Trio: 18 euros
John Zorn & Ikue Mori – The Hermetic Organ: 15 euros
Simulacrum: 15 euros
Highsmith Trio: 15 euros
Insurrection: 15 euros
Secret Chiefs 3: 15 euros
The Rite of Trio : 5 euros
Robert Dick: 5 euros
Slow is Possible: 5 euros
Dither: 5 euros
Trigger: 5 euros
Julian Lage & Gyan Riley:5 euros

John Zorn (2016-2018)*
Barbara Hannigan & Stephen Gosling – Jumalatteret*
Pomegranate Seeds – Ikue Mori*
Bhima Swarga de Ikue Mori*
The Book of Heads – James Moore*
Celestial Subway Lines / Salvaging Noise*
Between Science and Garbage*

*entrada gratuita mediante levantamento prévio de bilhete a partir de 1h antes do início de
cada evento

Assinaturas
Passe Anfiteatro & Grande Auditório (10 concertos): 135 euros

Passe fim-de- semana 1 – concertos 27, 28 e 29 Julho – 21h30: 45 euros
Passe fim-de- semana 2 – concertos 3, 4 e 5 Agosto – 21h30: 40 euros
Passe Auditório 2 – concertos 30 Julho, 1, 2, 3, 4 e 5 Agosto – 18h30: 15 euros

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.