Vila Nova de Cerveira: com o Rio Minho por companhia

Reportagem de Cristina Alves
Fotos de Francisco Lourenço

Neste início de ano, a nossa sugestão de destino vai para o Norte do país, mais em concreto para a região do Alto Minho. É aqui que se situa Vila Nova de Cerveira, apenas separada da vila espanhola de Góian pelas águas do Rio Minho, sobre as quais está debruçada. Considerada uma região de grande beleza natural, está envolta num ambiente idílico de montanhas verdejantes e copiosos cursos de água.

Entre as diversas atracções turísticas que esta região que inclui Vila Nova de Cerveira, Valença, Monção e os municípios espanhóis de Tui e Baiona, oferece destacam-se quatro vertentes: gastronomia, cultura, sol, praia, paisagem e turismo-activo.

A gastronomia da região  é influenciada pela riqueza do rio e na oferta de restauração destacam-se pratos como o arroz de sável, a lampreia refogada ou com arroz ou a muito apreciada tainha assada no forno.

Na vila, encimada pela escultura de um  Cervo, animal que dá nome à terra, da autoria de José Rodrigues, vale a pena conhecer o Castelo Medieval de Cerveira, onde se erguem no seu interior os edifícios da Casa da Câmara e Cadeia, o pelourinho, a Igreja da Misericórdia, os quartéis, paióis, a cisterna e desde 1982 a Pousada de D. Dinis.

A Igreja Matriz de Cerveira, dedicada a S. Cipriano, também é digna de destaque, assim como a Fonte da Vila (séc. XVI), com as suas três bicas saídas de caramonos esculpidos.

As várias casas apalaçadas, brasonadas e típicos solares minhotos concedem a Vila Nova de Cerveira um tom senhorial, que denota a importância e poderio económico ao longo dos séculos, contribuindo também para enriquecer a beleza da vila, exemplo disso é o Solar dos Castros, no centro histórico, perto do Castelo e da Igreja Matriz.Já na periferia da vila, nas costas da capela de S. Roque, sobre um morro pedregoso parcialmente encoberto pelas moradias que invadiram já o sopé, ergue-se a antiga Forca de Cerveira, construída provavelmente na Idade Média.

Também num pequeno vale da freguesia de Campos, em sítio escondido, encontramos a Capela de Santa Luzia (séc. XVII), isto sem esquecer o antigo Convento de S. Paio (1392), no Loivo, que teve como construtor o frade franciscano Gonçalo Marinho, e, em Gondarém, o Paço da Loureira e o Santuário do Bom Jesus do Calvário, com o seu escadório.

Quem visitar Vila Nova de Cerveira em tempos de calor pode aproveitar para passar um dia bem agradável no novo Parque de Lazer do Castelinho, localizado na área ribeirinha do município. Este amplo espaço, pensado para pequenos e graúdos, engloba diversas propostas desportivas e recreativas com uma componente pedagógica ligada à natureza e aos recursos hídricos.

A par do Aquamuseu do Rio Minho, sinaliza a criação de uma nova centralidade baseada em valores de ordem ambiental. Para além de outras atracções, o parque possui uma réplica do rio Minho, cujo percurso foi reconstituído com canais e comportas, bem como um trilho botânico que alberga espécies autóctones da bacia hidrográfica do Minho, entre as quais, choupo, salgueiro, amieiro, loureiro, vidoeiro ou sabugueiro.

Para quem gosta de arte, a sugestão é uma visita ao Museu da Bienal e Forum Cultural, um dos principais locais que acolhe a bienal de arte contemporânea da região e apreciar as inúmeras esculturas espalhadas pelos vais locais públicos da vila.

Outra das grandes atracções de Vila Nova de Cerveira é a sua feira, conhecida como uma das maiores do Norte e que atrai centenas de pessoas todos os sábados, sobretudo das grandes cidades nortenhas, que aqui encontram tudo o que precisam, já que a panóplia de produtos à venda é enorme.Outra das vertentes mais procuradas pelos visitantes é o turismo activo, no qual é possível praticar actividades como passeios a cavalo, experiências em kayak, ultaleve, parapente e BTT, orientação em jipe ou passeios guiados pela ecopista entre Valença e Monção.

Para alojamento, a nossa sugestão vai para o 4-estrelas Hotel Turismo do Minho, a mais recente e moderna unidade hoteleira da região, que também beneficia de um excelente enquadramento paisagístico, próximo do rio Minho.

O hotel está longe do buliço da cidade, no caminho entre Vila Nova de Cerveira e a fronteira de Valença (com Tui) e dista apenas meia hora de grandes centros urbanos como Braga, Viana do Castelo e Vigo (em Espanha).

Com uma decoração simples, mas moderna, inspirada na Bienal de Arte de Cerveira e nos materiais da região, o hotel, que abriu portas em 2005, dispõe de 60 quartos duplos, cinco suites duplexs independentes com decoração temática, nas quais estão recriados ambientes inspirados na obra de grandes mestres da pintura: Almada Negreiros, Velásquez, Van Gogh, Andy Warhol e Dali).

Complementam a oferta do hotel, o “Brazeirão do Minho”, restaurante especializado em comida portuguesa, cuja cozinha é da responsabilidade do chefe búlgaro Dantcho Batchvarov, dois bares (interior e exterior), duas piscinas (adultos e crianças), court de ténis, parque infantil e desfruta de uma envolvência privilegiada, onde imperam vastos espaços verdes.O Hotel Turismo do Minho é uma das unidades que, em parceria com o operador local Animaminho, proporciona vários tipos de passeios e actividades aos seus clientes, como passeios a cavalo, passeios pela Rota dos Moinhos, observação de pássaros, passeio de caiaque pelas ilhas da zona (Boegas, ilha dos Amores e estuário do rio Minho) ou visitas a Cerveira, a Caminha, Valença, Tui ou Baiona, do outro lado da fronteira.

Para quem quiser ir mais longe, Viana do Castelo, Braga, Barcelos, Ponte de Lima ou Vigo são também sugestões de passeio pelas regiões do Alto Minho e Galiza. No hotel há uma pequena lista de sugestões de visita, com informações úteis e contactos, basta perguntar na recepção a um dos vários simpáticos e prestáveis funcionários da unidade.

Uma noite de alojamento em quarto duplo, com pequeno-almoço, varia entre os 40 euros em época baixa e os 80 euros em alta, uma suite (com capacidade para quatro pessoas) custa entre 75 euros e 150 euros.

Uma região a descobrir e a desfrutar, em qualquer época do ano, embora se destaque a Primavera e o Outono, pela beleza da vegetação. O Verão é também marcado pelas inúmeras festas e romarias populares tão características das terras do norte, que animam a alma e aquecem os corações.

Deixar uma resposta