Tomar – na Rota dos Templários

A cidade de Tomar, quase a completar 850 anos, é um daqueles recônditos meios escondidos no centro de Portugal. Dotada de uma vasta riqueza natural, esta cidade, banhada pelo Nabão, é um lugar perfeito para uma escapadinha de fim-de-semana.

Monumentos, parques, teatro, cultura, boa comida e excelente doçaria, de que se destacam as Fatias de Tomar, o ” Beija-me Depressa” e os “Queijinhos Doces”, esta cidade tem de tudo um pouco para agradar a quem lá passa e deixa no ar uma vontade de lá voltar.

pict0001Vista do Castelo dos Templários do parque da Cidade

pict0282pict0325

Jardim do Mouchão e a Roda do Mouchão à esquerda e o Convento de Cristo à direita – classificado como Património Mundial pela UNESCO, dois dos-ex libris da cidade.

Outra das características da região são os mistérios associados à ordem dos Templários, fundadores do castelo e do Convento de Cristo em 1162, por Gualdim Pais. Lendas de tesouros escondidos, de túneis subterrâneos, trabalhos alquímicos, leituras das estrelas e histórias de cavaleiros valorosos, preenchem a mitologia da cidade, que em tempos foi palco de comércio próspero e espaço de coexistência religiosa pacífica entre judeus e cristãos, da qual a Sinagoga da cidade é o último dos testemunho, escondidada entre prédios antigos, numa rua estreita, na parte antiga da cidade.

A acompanhar o passeio, uma sugestão de leitura: O Ouro dos Templários,daouro-dos-templarios autoria de Maurice Guinguand, editado em Portugal, pela Bertrand Editora, em Janeiro último.

A obra pretende lançar algumas luzes, sobre alguns dos mistérios que envolvem os cavaleiros do templo e as lendas criadas à volta deles, em França, mas também em Portugal, com um capítulo dedicado exclusivamente a Tomar e algumas alusões às aparições de Fátima. Um livro para curiosos do tema.

Fotografias de: Francisco Lourenço

Deixar uma resposta