Têxteis Ikat Indonésios em Exposição no Museu do Oriente em Lisboa

Reportagem de Elsa Furtado

expo_texteis_indonesia_mdo-005Elementos ilustrativos de uma cultura, da sua forma de pensar e estar, das suas crenças e arte os têxteis ikat são elementos muitos importantes para compreender e conhecer a cultura e algumas tradições indonésias, e raramente vistos no ocidente, uma oportunidade dada agora aos lisboetas e aos seus visitantes, pelo Museu do Oriente através da exposição Linguagens Tecidas.

São mais de 70 peças que compõe a mostra, pertencentes à Coleção Pusaka, de Peter Ten Hoopen, escritor holandês, residente em Portugal há vários anos, que a iniciou em 1970, depois de uma visita ao arquipélago Indonésio.

Ao longo de várias secções vai ser possível conhecer a arte e um pouco da cultura destes povos através dos seus panos e da sua tecelagem, atualmente em vias de extinção.

Xailes, Patolas, Sarongs, Higimec, entre outros ikats, alguns deles duplos, de algodão ou seda, tingidos de forma natural e feitos manualmente (alguns durante muitos anos) pelas hábeis tecelãs nos teares de tensão dorsal, podem aqui ser vistos e admirados pela primeira vez.

expo_texteis_indonesia_mdo-026

Cada ikat tem uma história, representa algo especial, seja para usar no dia-a-dia, numa cerimónia, para conquistar marido ou afastar os maus espíritos, cada um tinha um papel a desempenhar no dia-a-dia do povo indonésio. Só podiam ser feitos por mulheres, mas podiam ser usados quer pelos homens quer pelas mulheres.

Na mostra há peças do século XVIII à década de 50 do século XX, na sua maioria oriundas do arquipélago Indonésio, incluindo das ilhas mais pequenas e remotas como as Flores, Sumatra ou Bornéu.

As peças oriundas de Timor estão também aqui em destaque, ou não fosse esta ilha tão próxima dos portugueses.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Outra região representada é Guzarate, na Índia, com os seus patola de seda, de que é um rico exemplar a peça que se encontra quase no princípio da mostra, em vermelho e dourado. Estas peças espalharam-se pela Indonésia e influenciaram os ikats locais, nomeadamente em Java e Bali, sendo muito procuradas pelos nobres e abastados, tornando-se mais tarde símbolos de alianças.

De padrões simples, ou com figuras, de dois tons ou mais, estas peças raras podem ser vistas e apreciadas a partir de hoje e até 25 de janeiro de 2015, de terça-feira a domingo, das 10h00 às 18h00, e sexta-feira até às 22h00 (com entrada gratuita a partir das 18h00). Os bilhetes custam 6 euros.

Deixar uma resposta