Termas do Estoril reabrem modernizadas e com a mesma qualidade das águas

Fazendo jus à sua história e tradição de estância termal, que vem desde o século XVIII, as Termas do Estoril reabriram ontem ao público integradas no Estoril Wellness Center. Um novo equipamento, que integra no mesmo edifício as termas (as únicas na área da grande Lisboa) e um SPA, e que pretende servir mais de dois milhões de residentes dos concelhos de Cascais, Oeiras, Sintra e Lisboa.

passando a dotar a área da grande Lisboa (e Costa do Estoril) de uma estância termal.

As novas termas estão equipadas com os mais modernos equipamentos e técnicas na área da  hidrologia médica, segundo explicou Pedro Garcia administrador do Estoril Plage, durante a conferência de imprensa de apresentação das Termas, “associadas a um serviço de excelência e qualidade”, explicou ainda o responsável.

Para reabrir as termas foram realizados três novos furos, a 278 metros de profundidade, de onde sai a água mineral (considerada uma das mais salgadas do nosso país), a uma temperatura de cerca de 34º C (até 36º C), e construído um novo edifício de raiz, uma vez que o antigo tinha sido demolido em 1961.

O novo “balneário” dispõe de 13 salas de tratamentos, e piscina (com áreas separadas para adultos e crianças), um ambiente moderno, confortável, e sofisticado, num projecto da autoria do arquitecto Gil da Graça.

As novas termas vão actuar na área das doenças respiratórias, músculo – esqueléticas e dermatológicas e vão estar acessíveis a todas as pessoas que pretendam aqui realizar tratamentos, quer por iniciativa própria, ou por indicação do médico de família ou especialidade, através de um sistema ou subsistema de saúde, o que torna as termas acessíveis a todas as pessoas, explicou Cândida Monteiro, directora clínica das Termas, que esclareceu ainda que “aqui todos os doentes vão estar sempre acompanhados de um médico ou um terapeuta durante os tratamentos.”

A parte inferior do edifício está destinada ao SPA, que promete e convida a vários momentos de relaxamento e tratamento com a qualidade da cadeia tailandesa Banyan Tree.

Aqui existem 5 salas de tratamentos: Rosemary, Sandalwood, Saffron, Vanilla e Turveric, todas decoradas em tons escuros (vermelhos, pretos, castanhos e dourados), com peças de design e tailandesas e o ambiente é repleto de aromas de incensos e óleos aromáticos.

As massagistas e terapeutas são todas tailandesas ou formadas na  na Academia Banyan Tree, e vão administrar algumas massagens e tratamentos exclusivos da cadeia, como a Banyan Royal e a Harmony Banyan, em sessões que podem ir dos 60 aos 180 minutos, terminando com 30 minutos de relaxamento e introspecção.

Integram ainda a área de tratamentos e relaxamento, uma piscina de Vitalidade, Hammam, sauna, cabines de chuveiro e duches sensoriais.

Completa a oferta do SPA, o restaurante Sandalwood Café, dedicado à “spa cuisine”, um restaurante de comida leve e saudável, cujo menu foi elaborado a partir da gastronomia tailandesa, onde o chefe do restaurante se foi inspirar.

O acesso ao SPA pode ser feito através de duas opções, livre ou por cartão de membro (modalidade gold e platina), por 200 euros por mês, e que permite acesso ao ginásio, piscina, instalações, descontos no golfe do Estoril, na prática de ténis e outros desportos em espaços geridos pela Estoril Plage e ainda no Hotel Palácio.

As Termas do Estoril estão situadas nas traseiras do Hotel Palácio, próximas do Centro de Congressos e do Casino do Estoril e são facilmente acedidas de comboio, de carro e camioneta.

Texto e Fotos de Elsa Furtado
Presstur 13-04-2010 (11h01) Quarenta e nove anos depois de terem encerrado, as Termas do Estoril voltam a abrir ao público integradas no Estoril Wellness Center, num novo edifício e adaptadas às necessidades do século XXI que alia os conceitos SPA e termas numa mesma estrutura.

“Este novo edifício tem dois conceitos integrados nele, e aposta na qualidade e na excelência dos serviços de hidrologia médica”, explicou Pedro Garcia administrador do Estoril Plage, na conferência de imprensa de apresentação das termas.

Para possibilitar a reabertura das termas, nas quais foram investidos 25 milhões de euros, foram realizados três novos furos, a 278 metros de profundidade, de onde sai a água mineral, a uma temperatura de cerca de 34º C, as instalações estão dotadas dos mais modernos equipamentos, técnicas de tratamento, médicos e terapeutas das diversas áreas, distribuídos por 13 salas de tratamentos, e piscina (com áreas separadas para adultos e crianças), inseridas num ambiente moderno, confortável, e sofisticado.

Para Pedro Garcia, “as Termas do Estoril têm duas grandes valências, o facto de cerca de 50% dos aquistas estarem na região da grande Lisboa, e o facto de as termas estarem a uma distância razoável da capital, o que é uma mais-valia, numa zona onde até agora não existiam nenhumas termas, o que permite às pessoas virem fazer tratamentos sem se afastar das suas casas e famílias”.

As novas termas vão actuar na área das doenças respiratórias, músculo – esqueléticas e dermatológicas e vão estar acessíveis a todas as pessoas que pretendam aqui realizar tratamentos, quer por iniciativa própria, ou por indicação do médico de família ou especialidade, através de um sistema ou subsistema de saúde, o que torna as termas acessíveis a todas as pessoas, explicou Cândida Monteiro, directora clínica das Termas, que esclareceu ainda que “aqui todos os doentes vão estar sempre acompanhados de um médico ou um terapeuta durante os tratamentos.”

Para Nuno Simões Coelho, director Geral, “as termas do Estoril vão trazer uma marca importante no Turismo de Saúde e no Turismo Termal”, referindo-se à aposta na cadeia Banyan Tree, “uma vez que são uma marca distintiva e líder na qualidade e na imagem dos Spas”, acrescentou o responsável.

A área do edifício ocupada pelo Banyan Tree SPA é completamente distinta das termas. Do ambiente branco e imaculado dos pisos superiores passa-se para um ambiente sofisticado, de inspiração oriental, em que os cheiros dos incensos e dos óleos pairam no ar. Nestas salas as terapeutas e massagistas tailandesas e formadas na Academia Banyan Tree administram algumas massagens e tratamentos exclusivos da cadeia, como a Banyan Royal e a Harmony Banyan, em sessões que podem ir dos 60 aos 180 minutos, terminando com 30 minutos de relaxamento e introspecção.

Integram ainda a área de tratamentos e relaxamento, uma piscina de Vitalidade, Hammam, sauna, cabines de chuveiro e duches sensoriais.

Completa a oferta do SPA, o restaurante Sandalwood Café, dedicado à “spa cuisine”, um restaurante de comida leve e saudável, cujo menu foi inspirado na gastronomia tailandesa.

O acesso ao SPA é livre ou com cartão de membro (modalidade gold e platina), por 200 euros por mês, e que permite acesso ao ginásio, piscina, instalações, descontos no golfe do Estoril, na prática de ténis e outros desportos em espaços geridos pela Estoril Plage e ainda no Hotel Palácio.

O novo complexo é uma forte aposta no turismo da região da Costa do Estoril e no turismo de saúde, salientou Filipe Soares Franco, presidente da Opway Imobiliária, sócia no empreendimento, que destacou a importância do sector para o desenvolvimento do país.

Clique para ver: SPAs

Clique para ver: Lisboa & Vale do Tejo

1 Comentário

Deixar uma resposta