Teatro Carlos Alberto Acolhe Sete Espetáculos Do MEXE 

Entre os dias 18 e 24 de setembro, o MEXE – Encontro Internacional de Arte e Comunidade está de regresso ao Porto sob o tema “Cidade-Corpo Coletivo”. O Teatro Carlos Alberto acolhe sete iniciativas do evento, que decorrerá em diferentes espaços da cidade. 

Assente em quatro pilares (apresentação, pensamento, formação e documentação), a quarta edição do MEXE assinala os dez anos da Pele, coletivo do Porto que tem trabalhado em diferentes linguagens artísticas como o teatro, a música e a dança, com a estreia do documentário “O que acontece quando a Pele se Mexe?”, no dia 18 de setembro, às 19h30, no TeCA, com guião e realização de Nuno F. Santos.

No âmbito do MEXE, o Teatro Carlos Alberto propõe também a oficina Fuenteovejuna/Atalaya-TNT, no dia 22 de setembro, às 11h00, com a orientação de Carina Rámirez Montero, David Montero e Rocio Montero Maya, assente na partilha do trabalho realizado com mulheres ciganas do acampamento de Vacie (Sevilha) que sobem também ao palco do TeCa para interpretarem Fuenteovejuna, o clássico de Lope Veja. O espetáculo sobre a insurgência contra a injustiça e os abusos de poder tem direção de Pepe Gamboa e estará em cena no dia 21 de setembro, às 21h00.

No mesmo dia, às 21h00, a companhia CIA Marginal apresenta Eles Não Usam Tênis Naique, um espetáculo com encenação de Isabel Penoni que coloca em cena um debate ideológico através do reencontro de um pai e uma filha, ambos traficantes de droga no Rio de Janeiro, mas pertencentes a gerações distintas. 

A 23 de setembro, às 21h00, Quando o Mar É Mais põe Esposende estabelece um diálogo entre o passado, o presente e o futuro da cidade, um local de mar, horizonte, de partidas e chegadas, de náufragos e emigrantes. O espetáculo, com direção artística de Hugo Cruz e Susana Madeira, envolve a comunidade local da região, com um elenco de mais de três dezenas de pessoas, e conta com textos de Afonso Cruz, Ernest Hemingway, Sofia de Mello Breyner, entre outros. 

Com base em testemunhos de atores e atrizes do grupo Aullidos de Otxar, oriundos do bairro Otxarkoaga – local para onde foram viver com os seus pais nos anos do franquismo em Bilbao – assim como de outros moradores do bairro, La Vida en Una Maleta explora os sentimentos daqueles que deixam a sua terra em busca de um futuro melhor para viver. Com direção artística de Arantxa Lurre, o espetáculo sobre as viagens sem retorno vai ser apresentado no dia 24 de setembro, às 16h00.

A par dos espetáculos, o MEXE promove também a segunda edição do Encontro Internacional de Reflexão sobre Práticas Artísticas Comunitárias, nas quais teóricos e “fazedores” se reúnem com o intuito de promover aproximações entre a academia, o meio artístico e a sociedade. A iniciativa decorre em três sessões, nos dias 19, 20 e 21 de setembro, entre as 9h30 e as 12h30, no TeCA. 

Os bilhetes para os espetáculos do MEXE no Teatro Carlos Alberto podem ser adquiridos por cinco euros.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.