Soberano Lusitano marca a estreia de Rui Esteves Costa no romance numa edição Guerra & Paz

Dizem que é filho do vento, outros dos deuses nas terras da Lusitânia, o certo é que se tournou um dos símbolos do nosso país e da nossa Cultura – o Cavalo Lusitano é um símbolo nacional sem igual no resto do mundo e que só por isso merece ser homenageado e lembrado, e é isto que Rui Esteves Costa faz no seu primeiro romance, que tem como protagonista o Soberano.

Soberano Lusitano é o nome do romance, que conta com edição da Guerra & Paz e teve recentemente honras de lançamento no Salão Nobre do Campo Pequeno, na pessoa de Paulo Caetano, um dos grandes nomes da tauromaquia nacional das últimas décadas e grande conhecedor deste animal e do seu dia-a-dia.

O cavaleiro foi também o autor do prefácio deste romance que é protagonizado por um cavalo lusitano mas que nos leva a cavalgar numa ardente história de amor.
Numa sala cheia de amantes do Cavalo de ‘sangue quente’ e de aficionados da leitura, debateu-se a raça Lusitano e a importância de não perder esta parte da nossa história e da nossa riqueza assim como a necessidade de apostar mais nos escritores portugueses.

Na madrugada de 13 de Abril nascia, na Golegã, o cavalo que seria baptizado e conhecido como o Soberano. A milenar raça portuguesa deu-lhe o resto do nome: Soberano Lusitano. Cruza a fronteira e começa a ganhar fama na tradição ibérica do toureio. Em Sevilha, encontra aquele que será o seu companheiro de aventuras, Paco Montés, um jovem cavaleiro que faz furor em Espanha, arrojando na arte de tourear. No entanto, o destino dos dois vai sofrer uma reviravolta surpreendente e levá-los até ao Brasil, casa dos maiores compradores da raça. No Rio de Janeiro o jovem cavaleiro há-de conhecer Florena, a fogosa mulher que mudará o rumo da história de paco e do Soberano Lusitano.

Um romance português sobre o Cavalo Lusitano, que merece manter o seu lugar na nossa História!

Rui Esteves Costa, nasceu em 1968, numa aldeia da Beira Baixa. Licenciou-se em Direito pela Universidade de Lisboa e especializou- se em Gestão de Instituições Financeiras, na Universidade Católica, sector onde exerce a sua vida profissional, entre as suas paixões destacam-se a sua coudelaria, onde faz criação de cavalos lusitanos, e os livros.

Curiosidade: O Cavalo Lusitano data de há cerca de 5000 anos. O mais antigo cavalo de sela do Mundo chega ao limiar do século XXI reconquistando o esplendor de há dois mil anos. Cavalo de “sangue quente”, o Puro Sangue Lusitano é o produto de uma selecção de milhares de anos, o que lhe garante uma “empatia” com o cavaleiro superior a qualquer raça moderna.

Texto de Sandra Dias
Fotos de Sara Santos

Deixar uma resposta