Rui Veloso assinala 30 anos de Ar de Rock com grandes concertos

Trinta anos passaram desde o lançamento de Ar de Rock, o primeiro álbum de originais lançado por Rui Veloso. Para assinalar este feito, o apelidado de “pai” do rock português, vai realizar dois grandes concertos, um no Porto e outro em Lisboa no próximo mês de Novembro.

Depois de este ano ter realizado vários concertos por todo o país, ter estado presente no Rock in Rio, em vários momentos e registos, e encerrado o ciclo de concertos do Casino, o músico com sotaque do norte, assinala este aniversário, num concerto no Coliseu do Porto, uma das mais emblemáticas salas da Invicta, por onde o músico já passou várias vezes, no dia 7 e no dia 17, em Lisboa, também no Coliseu, outra sala que o cantor de “Chico Fininho” já esgotou várias vezes.

Para estes dois concertos, que prometem ser memoráveis, Rui Veloso vai contar na primeira parte com a companhia dos Optimistas, a banda original que o acompanhou em 1990, na gravação de Mingos & Samurais, , um dos álbuns duplos mais emblemáticos da carreira do músico, como por exemplo M. Costa Reis (bateria), Yuri Daniel (baixo), Mário Barreiros (baixo e guitarra eléctrica), Manuel Paulo (piano eléctrico e órgão), Dalú (percussão), Alexandre Manaia (sintetizador).

Temas como “A Rapariguinha do Shopping”, “Ai quem me dera a mim rolar contigo num palheiro”, “Bairro do Oriente”, “Afurada”, “Chico Fininho”, “Sei de Uma Camponesa”, “Miúda”, “Saíu Para a Rua”, “No Domingo Fui às Antas”, “Harmónica Azul” e “Donzela a Diesel”, prometem fazer parte do alinhamento, a par de outros como, “O Prometido é Devido”, “Não Há Estrelas no Céu”, “Baile da Paróquia” e “A Paixão (segundo Nicolau da Viola)”, e ainda outros sucessos mais recentes.

Os concertos estão marcados para as 21h30, e o preço dos bilhetes varia entre os 18 e os 50 euros no Porto, e os 25 e os 50 euros em Lisboa, e já estão à venda nos locais habituais. A produção é da responsabilidade da Everything is New.

Texto de Elsa Furtado
Fotos de arquivo C&H – Elsa Furtado e Francisco Lourenço

Deixar uma resposta