Rota das Judiarias arranca com novo fôlego

Por Elsa Furtado (texto e fotos)

entrada_judiaria_guarda

O projeto da Rota das Judiarias – Rotas de Sefara, criado em 2011,  ganha agora novo fôlego, com a atribuição de cinco milhões de euros, dos quais 15 por cento (cerca de 750 mil euros) serão suportados pela  Secretaria de Estado da Cultura, e os restantes  85 por cento pelo programa EEA Grants (financiado pela Noruega – 97%, Islândia e Liechtenstein).

O projeto apresentado tem um prazo de quatro anos para ser concretizado (nesta fase) e visa a reabilitação de judiarias, zonas habitacionais, edifícios ligados à história e comunidade judaico portuguesa, reabilitação e organização do  património material e imaterial;  desenvolvimento de um trabalho digital (sites e centros interpretativos), a promoção e divulgação interna e externa, formação de pessoas e dinamização das zonas inseridas na rota, e ainda o reforço da identidade e das comunidades, segundo explicou ao C&H Barreto Xavier, Secretário de Estado da Cultura.

Outro dos objetivos da Rota é o diálogo intercultural, religioso e dar a conhecer aos portugueses (e não só) a história e a cultura sefardita no nosso país, o “bom e o mau”.

guarda_almeida2012-001
Juadiaria da Guarda

A rota abrange várias cidades de norte a sul do país, nomeadamente Alenquer, Almeida, Belmonte, Bragança, Castelo Branco, Castelo de Vide, Celorico da Beira, Elvas, Évora, Fornos de Algodres, Freixo de Espada à Cinta, Guarda, Lamego, Leiria, Lisboa, Mêda, Óbidos, Penedono, Penamacor, Porto, Reguengos de Monsaraz, Sabugal, Tomar, Torres Vedras, Trancoso, Vila Nova de Foz Côa e Vila Nova De Paiva.

Aqui, destaca-se a construção do Memorial da Vida Aristides de Sousa Mendes, dedicado ao cônsul português e aos judeus salvos por ele aquando a 2ª Guerra Mundial, em Vilar Formoso.

guarda_almeida2012
Marcas “mágicas” judaicas – Guarda

Outro museu que pode vir a beneficiar destas verbas é o Museu Judaico de Lisboa, no Largo de S. Miguel em Alfama, cujo edifício já foi adquirido pela CML e o projeto já se encontra aprovado, segundo contou ao C&H Esther Mucznik – Vice-Presidente da Comunidade Israelita de Lisboa, e que visa contar e dar a conhecer a História e a Cultura Religiosa dos judeus lisboetas e portugueses, embora ainda sem previsão de abertura por falta de verbas.

Participam ainda nesta iniciativa a Comunidade Judaica de Belmonte, o Município de Belmonte, Município de Castelo Vide, Município de Freixo Espada à Cinta, Município da Guarda, Município de Lamego, Município de Penamacor, Município de Torres Vedras, Município de Trancoso, Município de Tomar, Entidade Regional de Turismo do Alentejo, Entidade Regional de Turismo do Algarve,Entidade Regional de Turismo do Douro, Entidade Regional de Turismo de Lisboa e Vale do Tejo, Entidade Regional de Turismo do Oeste e Entidade Regional de Turismo da Serra da Estrela.

Deixar uma resposta