Obidos já “vive” os tempos conturbados de D. Fernando

Muito mais do que uma festa, o Mercado Medieval de Óbidos é um festival de sentidos, já que assim que entramos na Cerca do Castelo – onde a feira está a decorrer até dia 18 de Julho –, chegam-nos os cheiros provenientes dos petiscos que nos aguardam nas tasquinhas, onde não faltam migas de bacalhau, sopa da pedra, chouriço assado ou porco no espeto.

Mas à medida que avançamos pela zona das marroquinaria, o cheiro é outro, o dos vários incensos que por ali se vendem. A côr, essa é muita, desde as tendinhas espalhadas pelo recinto, aos trajes de época, às coroas de flores feitas no local; e os sons não param de nos chegar oriundos das barraquinhas com os seus pregões chamativos e dos vários grupos itinerantes de animação e de dança – franceses, italianos, espanhóis e muitos portugueses – que vão animando o recinto.

Neste espaço nada falta: música, muitos actores, saltimbancos e espaços de comes, bebes e de artesanato. Tudo de acordo com uma época – a medieval –, que nos faz recuar ao tempo dos reis e das rainhas, das princesas, dos combates a cavalo, das lendas de dragões e das músicas de harpa.

O evento, este ano dedicado às “artes e ofícios”, transforma a vila num local cheio de carpinteiros, ferreiros, artesãos, comerciantes e almocreves que, durante estes dias mostram os seus ofícios.

A par da festa e do convívio, o mercado medieval tem também uma componente pedagógica e por isso é um programa para toda a família. Na Torre Mágica – um novo espaço infantil –, além de mostrar como se vivia na época medieval, é possível aprender alguns jogos populares e experimentar a profissão de artesão.

O evento apresenta este ano a novidade das Ceias Medievais, que decorrem nos claustros do palco principal, devidamente cenografado, custando 40 euros por pessoa, sendo a ementa diferente a cada semana. Neste palco decorrem também os grandes espectáculos, que nesta edição têm horário definido.

O Assalto ao Castelo – um dos eventos de recriação histórica que melhor representa a arte de guerrear – é sempre dos espectáculos mais procurados pelos visitantes. Entre as muralhas, existe ainda um espaço para torneios medievais e um acampamento militar e civil, onde os visitantes poderão visualizar duas áreas com exposições de armaria, réplicas de armas de assalto, instrumentos cirúrgicos de época, utensílios domésticos, entre outros.

Também visitáveis, encontram-se diversos tipos de animais, tais como cavalos, póneis, burros mirandeses, aves de rapina e cobras.

O mercado – que se realiza de quinta a domingo – conta na sua 9ª edição com 129 pontos de venda (19 tasquinhas e 110 bancas de artesanato e outros produtos), 19 colectividades representativas das nove freguesias do concelho, 10 grupos de música e 16 grupos de animação, num total de 130 elementos.

Texto de Cristina Alves
Fotos de Telmo Marques

Deixar uma resposta