O fado de Miguel Vieira, a dança Nuno Baltazar e a elegância de Nuno Gama marcam o terceiro dia do ModaLisboa Freedom

Entrando no terceiro dia de ModaLisboa Freedom, o mais preenchido em termos de desfiles, a primeira coleção a subir à passerelle não traz propostas de vestuário, mas sim de joias. Valentim Quaresma apresenta uma combinação de diversos materiais que vão ganhando forma e propagam-se como um “virús”, tema da coleção, que demonstra a originalidade do criador.

Os Burgueses, a dupla de criadores Eleutério e Mia, foram a primeira proposta do espaço Lab e apresentaram visuais casuais para o dia e para a noite onde a pele sintética preta e as fazendas cinza se ligam ao vermelho vivo que dá mais luz à coleção. Seguiu-se Daniel Dinis, com uma coleção de sportswear que mistura inspirações diversas que vão desde os monges Tibetanos, a jogadores de baseball e até vagabundos. Conjugando tecidos de produções anteriores o criador promove o conceito de reciclagem.

As propostas para a coleção de inverno 2013 de Maria Gambina assentam em peças oversized onde o contraste de cores, azul forte e vermelho, se destaca. Misturando materiais, que vão desde as malhas tricotadas à pele, os looks apresentados vivem de uma sobreposição de peças.

O estilista convidado da ModaLisboa Freedom, o polaco Piotr Drzal, traz-nos uma coleção maioritariamente masculina onde, mais uma vez, os tons metálicos, o vermelho e os azuis fortes, têm destaque sobre tons mais terra e neutros.

Miguel Vieira na sua coleção de inverno 2013 propôs-se vestir o fado, introduzindo-lhe o toque clássico, mas conferindo também uma contemporaneidade, em torno de materiais como o cetim, o veludo, pelos e lantejoulas. Muito assente no preto e nos dourados, as propostas que chegaram à passerelle enaltecem a elegância tanto feminina como masculina.

O universo da Pina Bausche e a música de Gershwin inspiraram Nuno Baltazar numa “coleção pensada a nível de desenho de movimento, interceções de drapeados e de franzidos e efeitos”. A fluidez de algumas das peças contrasta com alguns pormenores mais masculinos, numa palete de onde se destacam os vermelhos, os laranjas, os tons terra ocre e barro.

A fechar o dia, o oitavo, e último desfile pertenceu a Nuno Gama que mostrou uma coleção onde os detalhes de cada peça refletem uma linguagem luxuosa, com cortes tradicionais que aqui refletem uma linguagem urbana dos novos gentlemen. E com materiais de acabamentos
técnicos misturados com a essência dos materiais naturais chegamos ao fim de mais um dia do ModaLisboa Freedom, na Praça do Município.

Texto de Vânia Marecos
Fotos de Sara Santos

 

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.