O Colecionador de Erva de Francisco José Viegas é lançado hoje

colecionador de ervaFrancisco José Viegas volta a presentear os leitores com mais um livro,  O Colecionador de Erva,  sob a chancela da Porto Editora.

O aguardado novo romance de Francisco José Viegas chega agora às livrarias, na companhia de Longe de Manaus, vencedor do Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores 2005, agora numa edição da Porto Editora e é protagonizado pelo incomparável inspetor Jaime Ramos e a ação passa pelos quatro cantos do mundo, onde residem personagens peculiares como o próprio colecionador de marijuana.

Jaime Ramos, o investigador protagonista dos livros de Francisco José Viegas, vê-se a braços com duas investigações paralelas: a do assassínio de dois imigrantes russos (antigos militares soviéticos), cujos corpos são encontrados no interior de um carro semicarbonizado, nos arredores do Porto – e o desaparecimento de uma jovem de vinte anos, oriunda de uma família tradicional do Minho.

Se uma das investigações o transporta às suas memórias de militante comunista e a uma velha paixão pela literatura russa, a outra leva-o a um mundo onde coabitam velhas famílias do Minho ou do Porto, sexo, marijuana, espionagem a políticos, venda de armas, negócios em Angola e as memórias de um país que vive entre ruínas (as do império e as das fortunas recentes e antigas), corrupção e luta pelo poder – e que guarda os seus loucos nos armários, para não parecer mal.

Com capítulos perdidos nos quatro cantos do mundo (entre Portugal, Rússia, Angola, Brasil ou Cabo Verde), O Colecionador de Erva funciona como uma montagem cinematográfica sem princípio, meio ou fim – onde vários crimes são cometidos sem nexo aparente, onde personagens aparecem e desaparecem sem justificação, e onde a solução nunca está à vista senão apelando à nossa imaginação, como num road movie.

Francisco José Viegas nasceu em 1962. Professor, jornalista e editor, foi também diretor das revistas Ler e Grande Reportagem – e da Casa Fernando Pessoa. De 28 de junho de 2011 a 25 de outubro de 2012 exerceu o cargo de Secretário de Estado da Cultura do XIX Governo Constitucional. Colaborou em vários jornais e revistas, e foi autor de vários programas na rádio e televisão. Da sua obra destacam-se livros de poesia (Metade da Vida, O Puro e o Impuro, Se Me Comovesse o Amor) e os romances Regresso por um Rio, Morte no Estádio, As Duas Águas do Mar, Um Céu Demasiado Azul, Um Crime na Exposição, Lourenço Marques, Longe de Manaus (Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores 2005) e O Mar em Casablanca. Os seus livros estão publicados na Itália, Alemanha, Brasil, França e República Checa.

Texto de Sandra Dias

Deixar uma resposta