A Noite Da Iguana Encerra Ciclo Do TNSJ Dedicado A Tennessee Williams

Em cena entre 9 e 26 e fevereiro no Teatro Nacional São João, no Porto, A Noite da Iguana encerra um ciclo de quatro peças dedicadas a Tennessee Williams. O aclamado espetáculo que teve estreia na Broadway em 1961 com Margaret Leighton e Bette Davis nos papéis principais, é levado à cena pelos Artistas Unidos e o encenador Jorge Silva Melo.

Em A Noite da Iguana encontramos uma modesta pensão junto ao mar, na costa do Pacífico. Um ex-pastor, Shannon (Nuno Lopes) no limiar de um colapso nervoso, que assume a função de guia às mulheres Baptistas e vive com a dúvida religiosa, o seu “fantasma” (o espectro da doença mental), o seu alcoolismo e o seu insistente desejo sexual por raparigas menores de idade. Uma viúva, Maxine (Maria João Luís), é quem se ocupa do hotel. E surge uma pintora amadora Hannah (Joana Bárcia) que tenta vender os seus quadros, enquanto passeia o seu avô moribundo Nonno (Américo Silva) de hotel em hotel, sem dinheiro. E uma iguana presa grande parte do tempo e que se vai soltar naquela noite: um gesto de humanidade/liberdade do protagonista?

Tennessee Williams caracterizou a obra como “um poema dramático mais que uma peça (e por isso) condenado a pertencer a formas de expressão metafóricas”. É assumido que o autor revela mais dele próprio nesta peça do que em qualquer trabalho anterior, com o acréscimo de, ao contrário da maioria das obras, o espetáculo terminar com uma nota positiva e esperançosa, como se fosse possível chegar inteiro ao fim de uma viagem “que as pessoas assombradas e deprimidas se veem forçadas a fazer pelo lado obscuro da sua natureza”.

A inspiração partiu de uma viagem de Williams ao México no Verão de 1940, após o fim de um caso amoroso. A queda de Paris era iminente e Londres era bombardeada. Nazis habitavam o quarto ao lado do dramaturgo e esta contextualização acaba também por ser referenciada no espetáculo, com o aparecimento de alguns alemães felicíssimos, de toalha de praia e calções de banho.

A Noite da Iguana resulta de uma coprodução dos Artistas Unidos, São Luiz Teatro Municipal e TNSJ. O espetáculo, que esgotou salas em Lisboa, pode ser visto de quarta-feira a domingo: quarta-feira, às 19h00; de quinta-feira a sábado, às 21h00; e aos domingos, às 16h00.

Os preços variam entre os 7,50 euros e os 16 euros. A sessão de dia 19 de fevereiro contempla tradução em Língua Gestual Portuguesa e audiodescrição, reforçando a aposta do TNSJ de tornar os espetáculos passíveis de serem acompanhados por todos os públicos.

Enquanto os pais assistem ao espetáculo, os mais pequenos são convidados a descobrir o universo de Tennessee Williams com atividades lúdicas e pedagógicas, em que se exploram as possibilidades expressivas das crianças, estimulando a sua criatividade. A oficina criativa decorre no dia 12 de fevereiro, entre as 15h30 e as 17h30. O preço de participação é de cinco euros e de 2,50 por euros por uma segunda criança.

Deixar uma resposta