Neste Dia Mundial do Livro Sugerimos: histórias com inspiração real

Biografias, histórias verídicas, notícias da atualidade, um livro para rir e os conselhos práticos e saborosos da inglesa Nigella Lawson encerram as nossas sugestões de livros, neste dia Mundial e antecipando já algumas sugestões para compras na Feira do Livro, que arranca em Lisboa no próximo dia 28 de Abril.

Em vésperas de casamento real sugerimos a biografia de uma das mais influents e ponderosas rainhas da história, A Rainha Vitória, de Jacques de Langlade, que intregra a coleção das grandes biografias das Publicações Europa-América, com perfácio de Robert Merle.

Jacques de Langlade é um especialista em história de Inglaterra e autor de diversas obras e biografias. Nesta obra o autor revela-nos a Rainha Vitória com os seus encantos e com os seus ataques de cólera, de uma menina caprichosa que queria ver satisfeita a sua vontade, de um amor principesco e as suas relações políticas com o primeiro-ministro, os vícios e escândalos da aristocracia, mas também o seu papel preponderante na obtenção da paz entre a Turquia, a Rússia, a Prússia e a França, da conquista da Índia, da revolta no Egipto, no Sudão e na África do Sul, de como se tornou a mãe da Europa devido às alianças obtidas com os casamentos dos seus filhos e a sua relação com os artistas da época.

Eustace Conway é um americano que em 1977 abandona a casa dos pais, com dezassete anos e vai viver para o Apalaches – onde vive duma forma natural e despojada, mais próxima da natureza e parte numa espécie de estudo sobre a identidade do homem americano contemporâneo. Em O Último Homem Americano Elizabeth Gilbert (a mesma de Comer, Orar, Amar) narra a história verídica de Eustace, obra com o qual ganhou o Notable Book do New York Times. Uma edição Bertrand.

Nos Bastidores da Wikileaks da autoria de Daniel Domscheit-Berg é uma obra essencial, para comprrender um pouco melhor todo o escândalo à volta deste tema que durante semanas marcou a atualidade mundial.

Daniel Domscheit-Berg foi porta-voz da WikiLeaks e, com Julian Assange, a única cara conhecida desta organização. Num relato feito a partir do interior, dá-nos uma visão profunda da organização secreta que abalou inúmeras instituições em todo o mundo. Domscheit-Berg conta a história da WikiLeaks como nunca ninguém a ouviu. O livro tem dada de publicação entre nós agendada para 9 de Maio, numa edição da Casa das Letras.

Da Planeta, Introdução à Cultura Portuguesa (Séculos XIII a XIX) de Miguel Real, com prefácio de Guilherme D’Oliveira Martins, é um instrumento útil para melhor compreendermos a nossa cultura e tradição “…pela compreensão de que o continente em miniatura que somos e o cadinho de influências vária que é Portugal têm repercussões óbvias numa cultura aberta, disponível e vária!” são as palavras últimas de Guilherme D’Oliveira Martins.

Miguel Real  nasceu em 1953, em Liboa. É formado em Filosofia e especialista em cultura portuguesa. Dedica-se  ao estudo de figuras da nossa cultura, tendo já escrito alguns ensaios, mas também tem produzido ficção.

Da autoria de José Jorge Letria, A História pelo Buraco da Fechadura, é a súmula de inúmeras pequenas histórias que vão permitir ao leitor ter uma visão diferente da história rotulada e contada pelos vencedores. histórias essas que por vezes fazem parte do imaginário colectivo sob a forma de anedotas e de ditos. daí a utilização da expressão “pelo buraco da fechadura” para título desta compilação que promete revolucionar a perspectiva do leitor e levá-lo a outros caminhos. Nas livrarias a 9 de Maio, pela Casa das Letras.

Conhecida pelos seus programas de televisão e pelas suas dicas e ensinamentos fáceis, Nigella Lawson apresenta-nos agora Cozinha, O Coração da Casa, numa edição da Civilização. São cerca de 487 páginas através das quais a autora conduz-nos pelo mundo maravilhoso da Cozinha – “Receitas fantásticas para descomplicar a sua vida e enchê-la de sabor”. Num relato intimista a autora conduz-nos numa viagem repleta de sabores, cheiros, tachos e recipientes vários para lavar e voltar a usar na odisseia que é a preparação de um almoço ou jantar a dois, para a família, ou para os amigos.

O livro está dividido entre “Dilemas Culinários” e “Confortos Culinários”, com dois índices, um geral e outro rápido, com as receitas que demoram 30 minutos, ou menos, do primeiro passo à mesa, que vai desde bebidas, caril, cordeiro, esparguete, frango, molhos, peixe, pimentos, saladas, scones, tomates. Folheie estas páginas e deixe-se levar pelo pecado da gula.

Para o fim, fica a sugestão mais cómica de todas, um livro que se tem vindo a reveler um sucesso de vendas em Portugal, O Cão de Socrates, da Esfera dos Livros, da autoria de “António Ribeiro” pseudónimo do autor. O livro é uma sátira à vida do atual primeio-ministro José Sócrates, vista pelos olhos da sua “mascote oficial”.

“Um rafeiro retirado de um canil para viver uma vida de glória, fama e proveito em São Bento. Pela trela ou ao colo, nos momentos difíceis ou nas horas de triunfo, o cão foi uma testemunha ocular e privilegiada do dia-a-dia do chefe do Governo ao longo dos últimos anos. Do Tratado de Lisboa à Cimeira da NATO, das frias relações institucionais com o presidente da República aos calorosos apertos de mão das grandes figuras da política internacional, da crise do Orçamento de Estado para 2011 aos prós e contras da entrada do FMI em Portugal, o cão dá a sua opinião sobre tudo o que aconteceu nos últimos anos num relato detalhado, inédito e original sobre os bastidores da mais alta política portuguesa PS: o cão encontra-se à procura de novo dono. Aceitam-se inscrições. Obrigado!”

Fatos reais misturados com imaginários, alguns mais outros menos polémicos, são contados ao longo de cerca de 190 páginas de humor, mais ou menos apreciado, mas que vale a pena espreitar.

Por Clara Inácio

 

Deixar uma resposta