Museu Nacional de Arte Antiga apresenta a mostra Confrontos: Bosch e o seu Círculo

O Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa apresenta numa só sala três trípticos pertencentes ao universo figurativo de Hieronymus Bosch, contemporâneo de Bruegel, com as suas interpretações monstruosas, grotescas e demoníacas do universo humano, na mostra Confrontos: Bosch e o seu Círculo, que vai estar patente ao público até 25 de setembro.

A sua pintura caracteriza-se por ser profundamente religiosa e moral, com a representação figurativa da vida de penitência dos eremitas. O Tríptico das Tentações de Santo Antão, da autoria de Hieronymus Bosch, data de 1500, havendo registos de pertencer ao Palácio da Ajuda desde meados do séc. XIX, tendo depois ter transitado para o Palácio das Necessidades e em 1913 ter ido para o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) às Janelas Verdes.

Em confronto com o Tríptico das Tentações de Santo Antão, de Bosch estão dois trípticos oriundos do Museu Groeningue, em Bruges, na Bélgica, o Tríptico do Juízo Final, atribuído a um discípulo de Bosch, datado do séc. XVI, primeira metade e o Tríptico das Tribulações de Job, atribuído a um imitador ou continuador de Bosch, datado do séc. XVI, segunda metade. No volante esquerdo está Santo Antão e no volante direito está São Jerónimo.

A reunião destes três trípticos é a ocasião para proceder a uma série de exames científicos à estrutura material e ao processo criativo. Este estudo vai ser realizado por uma equipa do projecto “Bosch Research & Conservation Project”. Os resultados serão publicados em 2016, por ocasião do quinto centenário da morte do pintor.

As obras podem ser visitadas às terças, das 14h00 às 18h00 e de quarta a domingo, das 10h00 às 18h00. Em agosto pode ainda aproveitar o horário alargado das quintas à noite, das 18h00 às 24h00 e do Festival dos Oceanos, nos dias 4 e 11 de agosto, também das 18h00 às 24h00. Existe ainda a opção de visitas orientadas, que têm a duração de cerca de uma hora. Os bilhetes de acesso ao museu custam 5 euros.

Texto de Clara Inácio

Deixar uma resposta