Museu do Douro apresenta exposição dedicada à Ferreirinha

O Museu do Douro, em Peso da Régua, tem patente ao público desde ontem (dia 8 de julho) a mostra Dona Antónia, Uma Vida Singular, uma exposição comemorativa do bicentenário do nascimento de D. Antónia Adelaide Ferreira, conhecida como a “Ferreirinha”e que vai ficar patente até Junho de 2012.

Dona Antónia Adelaide Ferreira ou Ferreirinha como ficou conhecida, nasceu em 1811 e morreu em 189), foi proprietária de várias quintas que herdou e comprou ao longo da sua vida de empresária atenta e dinâmica, exigente na qualidade dos vinhos que produzia na Companhia Agrícola e Comercial dos Vinhos do Porto.

Mulher altruísta, generosa e solidária criou oportunidades para todos aqueles que com ela trabalhavam deixando marcas profundas na região, ainda hoje é um símbolo da iniciativa, perseverança e luta individual em defesa do Douro e da Região Vinhateira.

Uma frase simples mas lapidar proferida por Dona Antónia em 1855 define a mulher, a empresária e a cidadã “Cada um na sua terra deve fazer tudo que seja para bem da humanidade”.

Com esta exposição, o Museu do Douro recria todo o ambiente da época para evocar o percurso de uma mulher única e independente, singular no seu tempo, bem como as relações entre a família e a empresa no contexto da viticultura duriense e do comércio do vinho do Porto.

Vão estar em exposição pinturas, fotografias, jornais, bibliografia, fac-similes de documentos ilustrativos do trajecto pessoal e empreendedor de Dona Antónia (Ferreirinha), bem como, objectos representativos dos costumes e quotidiano de então, originárias da colecção privada do Museu do Douro, de colecções públicas (Palácio de Mafra, Biblioteca da Academia das Ciências de Lisboa, IVDP)  e privadas, nomeadamente, de descendentes de Dona Antónia.

Em simultâneo, o Serviço Educativo do Museu do Douro, em parceria com professores, alunos e outros agentes educativos e culturais, vai implementar o BIOS – Biografias e Identidades. Projecto com Escolas 2011/2012. Esta iniciativa entende a biografia como forma de relacionar o indivíduo e o contexto em que vive, perspectivando a força da figura de Dona Antónia Ferreira como um elemento a reter na vida do território que é o Douro, do século XIX à actualidade em interacção com o património material e imaterial do Douro, das castas à fauna e flora, à tipologia da paisagem.

Texto de Rui de Albuquerque Inácio

Deixar uma resposta