Museu Bordalo Pinheiro apresenta: lado desconhecido do trabalho do autor em exposição

A exposição Bordalo Artes Decorativas: Mobiliário e Interiores, está patente ao público desde sexta-feira, no Museu Rafael Bordalo Pinheiro, no Campo Grande em Lisboa, e aborda uma faceta pouco conhecida e estudada da obra do artista que ficou célebre pelo seu desenho de caricatura política e cerâmica das Caldas.

A exposição tem por objectivo “dar a conhecer esta vertente do seu trabalho e o panorama do gosto nacional nas artes decorativas, do último quartel de Oitocentos até ao início do século XX, sem esquecer a sua permanente vontade de fazer humor”.

O Museu recorreu a peças vindas de outros museus – Nacional de Cerâmica e Faianças Artísticas Bordalo Pinheiro (das Caldas da Rainha) e a colecções particulares de forma a completar as colecções de que já dispunha.

Do espólio do museu fazem parte desenhos, aguarelas, fotografia e mobiliário, que são testemunho do empenho de Rafael Bordalo na decoração em interiores domésticos e comerciais.

Segundo o museu, o artista empregou azulejos padrão no espaço arquitectónico ou, invulgarmente, nos móveis, em parceria com o entalhador Leandro Braga ou o marceneiro Frederico Ribeiro.

Também concebeu mobiliário cerâmico de uso diversificado: mísulas, candeeiros, castiçais, móveis de assento, caixas, cestos e até caixas em cerâmica para relógios e molduras para fotografias.

Nesta temática, foram as exposições nacionais e, sobretudo, as internacionais que lhe valeram o maior reconhecimento, como a Exposição Universal de Paris (1889) e a Exposição Colombiana de Madrid (1892).

Decorou festas ligadas à mesa, como bufetes em quermesses ou grandes jantares de homenagem, e festas carnavalescas nos teatros. Bazares, arraiais e visitas de estado mereceram desenhos de quiosques e coretos, ou seja, mobiliário urbano.

A exposição pode ser visitada, até 15 de Agosto, de terça-feira a domingo, das 10h00 às 18h00.

Por Cristina Alves

Deixar uma resposta