ModaLisboa:3º dia com tons fluídos e palete de cores mais diversificada

Reportagem de Sara Santos (fotos)
Texto de Margarida Vieira Louro

O terceiro dia da 36ª edição da ModaLisboa começou mais cedo, logo pelas 15h00 e foram muitas as surpresas e as propostas que surgiram ao longo do dia, com destaque para os desfiles de Filipe Faísca, Maria Gambina e Nuno Baltazar.

“Bonjour Tristesse” foi o tema escolhido por Filipe Faísca, inspirado no poema de Paul Eluard. A dualidade entre o masculino/feminino, continua a ser aimagem de marca deste criador, que ousou abrir o seu desfile com criar uma encenação que contrastou com a noiva num branco imaculado. O arrojado e o puro deram as mãos, nesta colecção em que os materiais utilizados deram corpo à criatividade do estilista utilizando a mousseline e crepe da china em seda, sarja de lã e feltro, malha de viscose, cabedal e moton rase.

A paleta de cores escolhida por Filipe Faísca foi o preto, o cinza, castanho, areia e rosa pele, os dourados e prateados deram glamour às suas peças e o xadrez e as riscas um ar mais clássico.

Maria Gambina escolheu voltar ao conforto de casa com o tema “Take me Home” na sua proposta para o Outono/Inverno 2011/12 na Moda Lisboa. O mote da criação é a mudança física e mudança interior. A colecção é estilizada sem esquecer uma imagem jovem e alegre onde as cores e os tecidos cores e formas são por si só uma viagem para os sentidos.

Inspirada no amor e no tema da edição, Maria Gamibina não se coibiu de usar e abusar do simbólico coração que nos transportou para uma faceta mais romântica da sua colecção. As cores foram meticulosamente escolhidas e passaram pelo salmão , verde luminoso, o verde tropa , o azul da risca Oxford e o camel.

A marca nacional Lanidor rendeu o público com apresentação de duas colecções : “Take Your Time” e “Sleek Architecture”.

“Sleek Architecture” define num conceito de luxo e elegância, onde se explora o feminino e o glamour. As silhuetas são esculturais e contrastam com outras mais fluídas, os tons usados foram tons neutros e límpidos em oposição com o branco ártico, o preto mate e o vermelho escuro.

“Take Your Time” surge num conceito que tem por base a interacção do urbano/rural. Os looks são mais descontraídos e confortáveis com cores adequadas como os cinzas, o castanho, o camel, o verde e cru.

O fecho deste dia esteve a cargo de Nuno Baltazar, que trouxe “Portrait´s” inspirado na obra de Gustav Klimt. A dualidade das suas propostas centrou-se nas imagens urbanas versus looks sofisticados.

As propostas loose com encaixes geométricos enriquecidos com toques de outro e brilho como contraponto às silhuetas formais, as cores utilizadas foram cores quentes, sépia, sanguíneas, ocres luminosos e amarelo açafrão, em contraste com o carvão, chumbo e marinho. O toque em seda, cetim, lãs compactas, tules e pailletes metálicos fizeram das peças de Nuno Baltazar um exemplo vivo da Art Nouveau.

Deixar uma resposta