Histórias de outros tempos como sugestão de Natal – I

O Natal está a chegar e com ele a azáfama das prendas, nas próximas semanas vamos deixar aqui algumas sugestões de Natal, seleccionadas entre as novidades editoriais do último trimestre de 2008, esperemos que gostem.

A guerra de Tróia é um dos momentos mais marcantes da História clássica, dando origem a vários mitos, lendas e obras literárias ao longo dos séculos.  Recentemente foi o mexicano, 9789724618241António Sarabia, que se inspirou no romance de Helena de Tróia e Páris, para escrever Tróia ao Entardecer.

Vencedor do Prémio Espartaco 2008, para o melhor Romance Histórico e publicado entre nós pela Casa das Letras (da Oficina do Livro), este livro, segue as regras clássicas, apresenta traços da epopeia, conta-nos lendas e paixões, num estilo solto e vivo, que fazem da sua leitura um prazer.

Ainda na Antiguidade, chega-nos a história de uma mulher mal tratada pela História, Jezabel, apelidada no seu tempo de “meretriz, promíscua e “rameira”. Da autoria de Lesley Hazleton, o livro tenta esclarecer a verdade que está por detrás do mito criado na Bíblia, na sua investigação a autora deparou-se com uma verdade distinta e é essa verdade que ela vai tentar provar.

9789722517133_1227480048_2Jezabel não era uma meretriz, era sim uma mulher com um grande sentido político e espírito astuto, algo não muito apreciado numa época em que as mulheres eram vistas como seres inferiores e dominados. Um trabalho de investigação que resultou num retrato o mais exacto e detalhado possível, sobre o quotidiano e História do Médio Oriente, numa época que ainda hoje influencia acções políticas, sociais, económicas e religiosas. Uma edição da Bertrand Editora.

Da editora Saída de Emergência, Adamastor, um romance de E. S. Tagino, que nos narra 0500421f67e018141f44c7862816447fna “primeira pessoa” a “verdadeira história do mítico Adamastor”, personagem tenebrosa e pessimista, dos Lusíadas, de Luiz Vaz de Camões.

“De como eu, Momad Satar, o verdadeiro Adamastor conheci  e me tornei o mor amigo do senhor D.  Luís Vaz de Camões, nesta bela ilha de Mozambique, dita Muhipiti, no ano 987 da Hégira…”, é assim que começa a “história” de uma das figuras mais míticas dos Descobrimentos portugueses.

Para contar a história desta figura e relatar alguns episódios da presença portuguesa em Moçambique, o autor, natural de Grândola -Vila Morena, apaixonado por História, recorreu aos arquivos de História, ao uso de português arcaico, à literatura e ao imaginário português, para contar a verdadeira história da lenda, numa narrativa a descobrir.

A Rota Proibida,  publicado entre nós pela Bertrand Editora, é o resultado de uma investigação minuciosa e longa, do jornalista espanhol Javier Serra, sobre alguns dos maiores enigmas da História.

9789722517485_1227480460_2De Jerusalém a Fátima, passando por uma pequena cidade francesa e pelas pirâmides do Egipto, o autor apresenta-nos algumas das suas descobertas e conclusões, em episódios como a descoberta do Novo Mundo por Cristovão Colombo,  os “vôos místicos” de alguns santos e vultos culturais, identificados como epilepsia extática, a história do último esconderijo de Maria Madalena, a construção das pirâmides do Egipto,  ou as aparições de Fátima, com toda a sua envolvência política e social e consequências religiosas.

Um livro pertinente, com algumas revelações e teorias incómodas, mas muito curiosas, a descobrir.

No mundo da arte e da cultura, Leonardo Da Vinci e a sua obra são elementos de referência, de sabedoria e beleza, sendo deste sempre sujeito a imitações, rou8y5_falsificadordavinci1bos e falsificações. É sobre mais uma tentativa de falsificação, desta vez imaginada e, da face obscura e menos legal do mundo da arte, que nos trata o novo livro de Thomas Swan, O Falsificador de Da Vinci , publicado entre nós pela Saída de Emergênia.

“A mentira é como a abelha, que tem mel na boca e, atrás, veneno” um pensamento de Leonardo Da Vinci, que inspirou o autor para este livro.

Narrado num estilo vivo e actual, com muita acção e aventura, o novo thriller de Swan, recupera o mito dos manuscritos de Da Vinci, um conjunto de desenhos e estudos, que muitos dizem existir, mas nunca viram, fazendo deles um bem muito desejado entre coleccionadores e apreciadores de arte, sendo por isso um alvo ideal para falsificação.

Um livro actual e empolgante, que nos leva numa viagem a algumas das cidades mais importantes do meio, como Itália ou Nova Iorque.

Depois da falsificação, os saques. Da autoria de Harold Robbins, Os Saqueadores, leva-nos até ao mundo dos muses, dos leilões de obras de arte e da preservação da cultura e da Histária de cada povo.

Desde sempre as guerras, as descobertas, explorações e os grandes c126534onquistadores foram nocívos para as culturas dos povos dominados ou conquistados, os últimos conflitos no Iraque não foram excepçaõ, levando a pilhagens e à destruição de museus, monumentos, escavações e sítios arqueológicos e ao desaparecimento de várias peças únicas no mundo.

A estória deste livro começa quando uma curadora de um museu americano, compra num leilão, uma máscara funerária, que dizem ter pertencido à lendária rainha Semiramis, pouco tempo depois, surgem rumores sobre a origem da peça, revelando que esta tinha sido roubada de um museu iraquiano.

Perseguições, mentiras, traições, roubos, são alguns dos ingredientes de uma obra, que tem por base a ténue fronteira entre o certo e o errado, num mundo tão delicado, como o da protecção do património histórico e cultural em cenários de conflito.

Uma aventura empolgante e actual, das Publicações Europa-América.

Deixar uma resposta