Festival Terras Sem Sombra encerra com a Oratória dedicada a D. Maria I

O Festival Terras Sem Sombra encerra o seu ciclo com a Oratória dedicada a D. Maria I, uma ópera, na Basílica Real de Castro Verde no dia 23 de Junho, pelas 21h30,  interpretada pela Orquestra Sinfónica Portuguesa, sob a direcção do maestro Donato Renzetti, com Raquel Alão (soprano), Carmen Romeu (soprano), Mikeldi Atxalandabaso (tenor), Marifé Nogales (mezzosoprano), Mário João Alves (tenor) e Luís Rodrigues (barítono).

Este concerto é a estreia moderna, a nível mundial, de “La Betulia Liberata”, escrita ao redor de 1773 pelo compositor e violinista italiano Gaetano Pugnani. A interpretação será pela Orquestra Sinfónica Portuguesa, sob a direcção do maestro Donato Renzetti, considerado um dos principais directores de orquestra da actualidade.

A partitura da oratória, em dois actos, para solista, coro e orquestra esteve até agora adormecida na Biblioteca do Palácio Nacional da Ajuda, foi recuperada por iniciativa do Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja. A Basílica Real de Castro Verde é um monumento do tempo de D. João V, famoso pelas excelentes condições acústicas.

 José António Falcão, director-geral do projecto, sublinha que “esta estreia põe em evidência o esforço feito pelo Festival para recuperar o nosso património musicológico, neste caso um manuscrito precioso do antigo Palácio Real; está em causa o resgate de uma parte muito significativa da nossa história e da própria cultura europeia.”

Paolo Pinamonti é o director artístico do Festival e escolheu o reputado maestro Donatto Renzitti para um concerto de excepcional virtuosismo, seguido já com atenção pela crítica internacional. Esta première promete trazerCastro Verde  alguns dos especialistas mundiais no campo operático.

Oratória dedicada a D. Maria I, Basílica Real de Castro Verde, dia 23 de Junho, pelas 21h30.

Texto de Clara Inácio

Deixar uma resposta