Festival Teatro Mérida enche teatro romano com homenagem aos clássicos

Até 29 de Agosto, a Extremadura espanhola recebe a 56ª edição do Festival de Teatro de Mérida, um evento teatral centrado na herança greco-latina e que decorre anualmente no Teatro Romano da cidade espanhola.

O certame está dividido em duas temáticas, a primeira dedicada à essência greco-latina, com obras de Eurípedes, Homero, Ésquilo e Aristófanes, e uma segunda dedicada à reinterpretação dos clássicospor autores como Camus, Pérez Galdós e Molière.

O festival inaugurou com o espectáculo de dança e teatro Medea 2, baseado no texto de Eurípedes, sob direção de Dimitris Papaioannou, em que participaram 25 bailarinos do Hellenic Festival Atenas.

A Ilíada, de Homero, adaptada por Alessandro Baricco e dirigida por Tom Bentley-Fisher, numa co-produção do Q-ars-Teatre e do Festival Grec de Barcelona, é outra das peças do programa.

O Centro de Produção do Festival de Mérida, com Paco León à frente de 20 actores, estreia mundialmente Lisístrata, de Aristófanes, enquanto Carme Elías protagoniza Prometeo, de Ésquilo, produzido pelo Centro Dramático Nacional de Espanha, Grec 2010 Festival de Barcelona e Factoría Escénica Internacional.

L’ Om e Imprebis de Calígula, na visão de Albert Camus, é o primeiro dos três olhares diferentes sobre os clássicos, em cena de 11 a 15 de Agosto, seguindo-se Electra, na adaptação de Francisco Nieva da versão de Pérez Galdós a 19 a 22 de Agosto, e El Avaro, de Molière, co-produzido pelo Centro Dramático Nacional de Espanha e Marca Extremadura, de 25 a 29 de Agosto.

O festival inclui ainda várias actividades complementares, nomeadamente concertos e outras representações teatrais, no Teatro Romano de Regina, localizado em Casas de Reina, na província de Badajoz.

O festival começou em 1933, após a reconstrução do Teatro Romano de Mérida (considerado como um dos edifícios no mundo que melhor representam a época do imperador Augusto), é o festival de teatro clássico mais antigo que decorre em Espanha e é considerado como um dos mais importante do género da Península Ibérica.

Texto de Cristina Alves
Foto da organização

Deixar uma resposta