Festival Músicas do Mundo anima Sines a partir de amanhã

A edição de 2011 do FMM Sines – Festival Músicas do Mundo realiza-se em Sines, a começar na próxima sext-feira dia 22 até  sábado dia 30, e apresenta um programa muito vasto com 36 espectáculos de 23 países.

O festival tem início às 19h00 de 22 de Julho, no Castelo, com um concerto de António Zambujo (Portugal), uma das vozes mais originais do fado, com influências melódicas e harmónicas das músicas alentejana e brasileira.

Às 21h30, sobe ao palco Le Trio Joubran, formado pelos irmãos Samir, Wissam e Adnan Joubran, o único trio de alaúdes do mundo é palestino e abre novos caminhos para um instrumento central da cultura árabe, que apresentam em Sines o seu novo disco, AsFâr.

Às 23h00, um dos mais reconhecidos músicos africanos do nosso tempo, o senegalês Cheikh Lô estreia-se em Sines na sequência da gravação de Jamm, um dos discos mais aclamados de 2010.

A primeira noite do festival encerra às 00h30,  com os americanos Secret Chiefs 3. Criação de três antigos membros do grupo Mr. Bungle, esta banda liderada por Trey Spruance faz rock progressivo instrumental com influências sinfónicas, de heavy metal e música árabe.

O segundo dia do festival é marcado pelo projecto António Chainho “LisGoa”, onde o guitarrista António Chainho evoca 500 anos de ligação cultural entre Portugal e Índia num cenário que não podia ser mais condicente: o Castelo de Vasco da Gama.

Às 21h30, actua o músico chinês Mamer, acompanhado da banda IZ. Filho da cultura nómada do povo cazaque de Xinjiang, a região mais interior da China, Mamer faz música folk gerada na tradição mas com olhos no futuro.

Berrogüetto, a banda galega com maior projecção internacional e um dos grupos mais importantes do folk europeu, apresenta-se às 23h00 com novo disco, “Kosmogonías”, lançado em 2010, e novo vocalista, Xabier Díaz.

Às 00h30, é a vez do projecto Congotronics vs. Rockers, que junta dez músicos originários dos grupos congoleses da série Congotronics (Konono n.º 1 e Kasaï Allstars) e dez músicos da cena rock alternativa (músicos provenientes dos Deerhoof, Wildbirds & Peacedrums e Skeletons, juntamente com Juana Molina e Vincent Kenis). Numa digressão europeia seleccionada, este é o único concerto do projecto em Portugal.

Para dia 24 de Julho, Aduf foi a escolha para abrir a noite,  um projecto do percussionista português José Salgueiro baseado na transformação do instrumento tradicional adufe. A cantora basca María Berasarte é convidada especial.

Autora de Lero-Lero, um dos discos brasileiros com maior atenção internacional em 2010, a paulistana Luísa Maita estreia-se em Portugal no palco do Castelo, às 21h30.

Às 23h00, cede o lugar ao projecto De Tangos y Jaleos, que apresenta o verdadeiro flamenco popular, raramente mostrado fora das cerimónias privadas das famílias ciganas da Extremadura espanhola, num encontro genuíno e de grande intensidade.

O ganês Ebo Taylor fecha o primeiro fim-de-semana de concertos, às 00h30, na companhia de uma orquestra de “allstars” do afrobeat actual, a Acrobeat Academy.

A cantora, multi-instrumentista e compositora galega Mercedes Peón apresenta  “SÓS”, um dos discos de fusão electro-acústica baseada em música tradicional mais amados dos últimos anos, às 19h00, no Castelo.

Às 21h45, a cantora, baixista e percussionista Manou Gallo, natural da Costa do Marfim, sobe ao palco do Castelo com a banda acústica belga Woman Band para apresentar o seu disco Lowlin, gravado em 2010.

O trio jovem Mama Rosin, vindo da Suíça, tem concerto marcado para as 23h15. A sua música de dança funde a energia do punk e do rock com o zydeco, música da comunidade crioula negra do Luisiana.

Unindo a rebeldia poética do rap ao poder instrumental das orquestras africanas, o ganês Blitz the Ambassador promete marcar o hip hop da segunda década do séc. XXI. Termina a noite de música no Castelo às 00h45.

Às 02h45 é inaugurado o palco da Praia Vasco da Gama, com um concerto pelo trio português Mikado Lab. Liderado pelo compositor e baterista Marco Franco, é responsável por dois dos melhores discos de sempre do jazz nacional, “Baligo” e “Coração Pneumático”.

Shunsuke Kimura e Etsuro Ono são renovadores do Tsugaru-shamisen, um instrumento de cordas com um lugar especial na cultura do Japão. Tocam no palco do Castelo às 19h00.

Formado pot Estelle Grand (voz e piano), Amaury Blanchard (bateria) e Clarisse Catarino (acordeão), o grupo francês Fromtwo promove mestiçagens entre a música erudita e o jazz, às 20h15, no palco da praia.

De volta ao Castelo, às 21h45, a rebetika estreia-se no FMM. Um dos grupos mais destacados da nova geração da música grega de raiz tradicional, o quarteto Apsilies baseia as suas experimentações no repertório da escola oriental do género.

Às 23h15, um dos maiores inovadores da slide guitar indiana, Vishwa Mohan Bhatt,  dialoga com um grupo cigano na tradição dos músicos dos antigos rajás, The Divana Ensemble. Juntos, representam o melhor da música Rajastão num projecto designado “Desert Slide”.

Formada nas ricas tradições do jazz sul-africano e da música negra, a cantora Nomfusi apresenta em Sines o disco que a revelou, Kwazibani,  é acompanhada pela banda The Lucky Charms, num concerto às 00h45.

A noite de música termina na praia às 02h45. Entre a Dixieland e o free jazz, o projecto Tuba Project feat. Bob Stewart, concebido pelo pianista e compositor romeno Lucian Ban, dá à tuba a proeminência que lhe faltava no jazz contemporâneo.

L.U.M.E. (Lisbon Underground Music Ensemble) é uma big band de autor com alguns dos melhores músicos portugueses do jazz e da musica clássica, com hora marcada para as 19h00, do dia 28.

“As Big as Divided”, a jovem banda portuguesa Lousy Guru faz pop com influências folk onde os jogos polifónicos são marca, sobe ao palco da praia às 20h15.

Às 21h45, de novo no Castelo, é a vez de Ayarkhaan, trio feminino que lidera o movimento de revitalização da música da república russa da Iacútia usando apenas como ferramentas o canto gutural e o berimbau metálico “khomus”.

O terreno fértil das músicas modais inspira o projecto francês Marchand vs. Burger “Before Bach”, às 23h15. Criado pelo cantor e instrumentista Erik Marchand e pelo guitarrista Rodolphe Berger, tem o argelino Mehdi Haddab (Speed Caravan) como convidado especial.

Uma das bandas que mais contribuiu para abrir a música ocidental aos sons do resto do mundo, os alemães Dissidenten, os “padrinhos do worldbeat” segundo a Rolling Stone, trazem a Sines as suas “Tanger Sessions”, fusão de rock e música árabe, às 00h45.

O dia de música termina na praia, às 02h45, com O Experimentar Na M’Incomoda. Trata-se de um projecto de Pedro Lucas em que a música tradicional açoriana ganha uma nova vida através dos recursos do digital.

No seio da Orchestre National de Barbès, o músico marroquino Aziz Sahmaoui ajudou a renovar a música magrebina. Em 2011, lança-se a solo com o projecto University of Gnawa, uma reunião entre Marrocos e Senegal que traz ao Castelo, às 19h00 do dia 30.

Às 20h15 no palco da praia, é a vez de CaBaCE, banda revelação da música afro feita em Portugal, vencedora do concurso Rock Rendez Worten 2010.

Às 21h45, no Castelo, o músico cabo-verdiano Mário Lúcio, ex-líder dos Simentera, apresenta em Sines o seu trabalho a solo mais recente, Kreol, um dos discos do ano nos “charts” europeus de world music.

Transformando o maloya tradicional através de um olhar contemporâneo e pessoal, Nathalie Natiembé, natural de Reunião, ilha francesa no Índico, é uma das vozes mais originais da música africana de hoje. Sobe ao palco do Castelo às 23h15.

Às 00h45, dez anos depois do concerto histórico com Black Uhuru em 2001, a secção rítmica que mudou o reggae, Sly & Robbie, volta ao palco do FMM com um dos cantores jamaicanos em melhor forma, Junior Reid. É o concerto de encerramento da música no Castelo, com fogo-de-artifício.

O último espectáculo do festival acontece na praia, às 2h45, com Kumpania Algazarra, banda portuguesa de música festiva com influências globais.

Paralelamente vão também decorrer várias iniciativas paralelas, como exposições, ciclo de cinema, ateliers para crianças, feira do disco e do livro, conversas com artistas e escritores, animação de rua, DJ’s e Rádio FMM.

As entradas diárias custam 15 euros, o passe para o 1.º fim-de-semana de 22 a 24 de Julho – 35 euros,
o passe para o segundo fim-de-semana de 27 a 30 de Julho – 50 euros e o passe para os dois fins-de-semana 80 euros e estão à venda no posto turismo de Sines e locais habituais.

O FMM Sines 2011 é um evento co-financiado por fundos FEDER / União Europeia, no âmbito do Programa Operacional INALENTEJO do QREN 2007-2013 e tem o apoio confirmado da Turismo de Portugal / Costa Alentejana, entre outras entidades. Desde 1999já acolheu 226 concertos, vistos por mais de 500 mil espectadores, sendo considerado o maior do género em Portugal.

 

Por Clara Inácio e Margarida Vieira Louro

Deixar uma resposta