MED abre época de festivais de Verão

De 22 a 25 de Junho, o Centro Histórico da cidade de Loulé veste as cores do mundo e transforma-se num palco de sons e sabores, experiências culturais e de fusão das mais variadas manifestações artísticas. A menos de três semanas da sua 8ª edição, o Festival MED apresenta as últimas confirmações do cartaz daquele que já é considerado um dos mais conceituados festivais nacionais de world music.

Balkan Brass Battle (Boban and Marko Markovic versus Fanfare Ciocarlia), Jaadu-Faiz Ali Faiz & Titi Robin, Mulatu Astatke, Márcia, Batida, Frankie Chavez, Os Golpes, The Soaked Lamb, The Gilbert’s Feed Band e Al Mouraria são as últimas confirmações da edição deste ano do Festival MED, que se juntam aos já anunciados Marrokan, Lula Pena, Muchachito Bombo Infierno, António Zambujo, Seun Kuti & Egypt 80, Sean Riley & The Slowriders, Magnifico, Luísa Sobral, DakhaBrakha, George Clinton, Afrocubism e Pinto Ferreira. Estão assim anunciados os 22 nomes que subirão aos palcos principais do primeiro festival de música deste Verão.

Depois do evento abrir com as actuações da cantora Lula Pena e do fadista António Zambujo, nos palcos Castelo e Cerca, respectivamente, vai passar pelo palco Matriz o francês Titi Robin e o paquistanês Faiz Ali Faiz. Jaadu é o projecto que une os dois músicos, misturando as raízes de ambos.

Mas a noite não encerra por aqui, pelo menos, não antes dos Marrokan e de Muchachito Bombo Infierno subirem aos palco Castelo e Cerca, para dois promissores concertos.

No segundo dia sobem ao palco Castelo o grupo The Gilbert’s Feed Band, que irão, certamente, surpreender com as suas performances acrobáticas e a atitude burlesca. No MED, este colectivo irá apresentar o álbum The Flabbergasting Return of The Grand Strambolic Circus, lançado em 2010.

Ainda neste dia, o Festival MED apresenta no mesmo palco um projecto musical bem-humorado cuja sonoridade se situa entre o rock e a música tradicional portuguesa. Os Golpes são protagonizados por Manuel Fúria (voz, letras e guitarra), Pedro da Rosa (guitarra e segundas vozes), Luís (baixo e coros) e Nuno Moura (bateria e coros).

Esta é também a noite das actuações de Seun Kuti & Egypt 80 no palco Matriz e de Sean Riley & The Slowriders e do cantor e compositor esloveno, popularmente conhecido como Magnifico, passarem pelo palco Cerca.

 

Estrelas da música cubana e africana encerram festival

 

Para o dia 24 foi confirmado a actuação do projecto de música portuguesa Al Mouraria, que promete recuperar no palco Castelo – exclusivamente dedicado a projectos nacionais – a tradição da Mouraria, adicionando-lhe sonoridades do fado mais moderno. Os Al Mouraria recorrem a variados instrumentos, desde a incontornável guitarra portuguesa à viola baixo e alguns deles menos óbvios, neste género tão lusitano, como a flauta, o violino, o saxofone ou o acordeão.

Neste dia, vão ainda passar pelo mesmo palco os The Soaked Lamb, que irão apresentar Hats & Chairs, o álbum editado em 2010 que reúne temas com influências de grandes nomes como Nina Simone, Ver Gary Davis, Billie Holiday, Chico Buarque ou Paolo Conte.

No palco matriz, o projecto Batida promete pôr toda a gente a dançar com os ritmos da música angolana, que misturam sonoridades tradicionais com propostas mais modernas. “Dance music com atitude mwangolé”, é assim que a banda vai apresentar o seu trabalho, actuando no palco Matriz num território onde o kuduro vai encontrar a electrónica.

O cartaz de dia 24 de Junho fica completo com as actuações da cantora de jazz Luísa Sobral e dos ucranianos DakhaBrakha no palco Cerca e de George Clinton, o nome maior do funk, que vai actuar no palco Matriz.

O último dia do festival abre ao som de Frankie Chavez, que vai dar a conhecer no palco Castelo – por onde também vão passar os Pinto Ferreira – o seu EP de seis músicas, na onde de blues oriented. A este concerto segue-se no palco Cerca a apresentação do primeiro trabalho da fadista Márcia, , que foi editado no final do ano passado.

Depois do fado é a vez do humor e a paixão gipsy subir ao palco Matriz. Neste concerto, o projecto Balkan Brass Battle vai colocar frente-a-frente a orquestra romena e cigana de metais Fanfare Ciocarlia e a orquestra de metais sérvia Boban & Marko Markovic.

Mulatu Astatke tem também actuação agendada para este dia, no palco Cerca, no qual se fará acompanhar, como de costume, pelo grupo Either/Orchestra de Massachusetts. As composições desta lenda da música etíope respiram sonoridades muito distintas como a salsa, o cool jazz, o funk, e ritmos árabes e indianos, tendo como assinatura, transversal aos vários temas, o recurso ao vibrafone.

O dia e, consequentemente, o festival encerram no palco Matriz, ao som dos Afrocubism, um projecto desenvolvido à volta de uma verdadeira constelação de estrelas da música cubana e da África Ocidental.

Os bilhetes para o Festival MED estarão à venda já a partir de amanhã, dia 1 de Junho, no Cine-Teatro Louletano. O bilhete diário custa 12 euros e o passe de festival (4 dias) são 40 euros.

Para mais informações consulte o site do festival em http://www.festivalmed.com.pt/2011/.

 

 

 

Texto de Cristina Alves

 

Deixar uma resposta