Faith No More encerram com chave de ouro primeiro dia do Optimus Alive!10

Texto de Catarina Delduque
Fotos de Sara Santos e António Murteira da Silva

Passava das duas da manhã quando começou a debandada do Palco Optimus, no lidia de abertura do Optimus Alive!10, depois da estrondosa apresentação dos Faith No More, com as marcantes voz e presença de palco de Mike Patton, no dia em que o cartaz do Palco Optimus foi também composto por Alice in Chains, Kasabian e Moonspell.

Faith No More marcaram, sem dúvida, a primeira noite do festival no palco Optimus, onde recordaram e bem temas como “Last Cup of Sorrow”, “Epic”, “Evidence” cantado em português, “Easy” ou “Ashes to ashes” que levaram o público ao rubro, e onde não faltou, naturalmente, a perícia vocal de Mike Patton.

Cerca das sete da tarde, o recinto no Passeio Marítimo de Algés ainda não fazia adivinhar que mais tarde cerca de 38 mil pessoas por ali estariam.
Devendra Banhart já tinha cantado no palco Superbock, que agora se preparava para receber Florence & The Machine enquanto no Palco Optimus o público ia-se juntando para assistir ao esperado concerto de Alice in Chains.

Alice in Chains não desapontou os fãs, com Will DuVall, o vocalista, depois do desaparecimento de Layne Stanley, à altura.

“Rooster”, “No Excuses” ou “Would” não faltaram numa apresentação que fez vibrar e onde a banda apresentou também temas do álbum editado em 2009, “Black Gives Way To Blue”.

Seguiu-se Kasabian, com uma demonstração mais morna, onde desfilaram temas dos seus três últimos álbuns, com “Underdog”, “Fire”, “Where did all the love go”, “FLS”, “Shoot the runner”, ao início, “Club Foot”, ou “Empire”, marcaram presença.
A tenda do palco Superbock mal chegou para a enchente que se registou em diversos concertos, nomeadamente, Florence and the Machine, XX, ou La Roux.

No Palco Optimus Clubbing a cadência era outra. A música electrónica tomava conta do espaço, e se às sete da tarde a multidão não era muita, quem lá estava dançava animadamente, ao fantástico som dos finlandeses Villa Nah.

O Canela & Hortelã agradece à UNICER pelo acesso ao festival dos seus colaboradores.

Restantes fotos aqui

1 Comentário

Deixar uma resposta