Évora recebe exposição “Paisagem” com obras dos Museus Gulbenkian e Soares dos Reis

O Museu de Évora recebe desde hoje a exposição Paisagem nas coleções do CAM-Fundação Calouste Gulbenkian e do Museu Nacional de Soares dos Reis, que integra quarenta obras de diversos artistas, entre os quais Henrique Pousão, Amadeu de Souza-Cardoso e Silva Porto.

A mostra vai estar patente ao público entre 26 de outubro e 20 de janeiro, e insere-se no programa do Colóquio internacional NOM-lieux du paysage: representações, imagens e discursos sobre a paisagem na Europa, que começa no mesmo dia no espaço museológico e continua nos dias 26 e 27, na Universidade de Évora.

Reedição de livro de La Capria “dá mote” para refletir sobre a paisagem

Professores, sociólogos, antropólogos, historiadores, arquitetos e geógrafos estão entre os oradores das várias conferências temáticas agendadas para os três dias, inspiradas em torno do recentemente reeditado livro Capri et plus jamais Capri, de Raffaele La Capria.

Em 1990, do alto da sua casa situada numa colina da ilha, La Capria dá livre curso aos seus pensamentos sobre a Ordem ou a Desordem do Universo, sobre a degradação da paisagem calabresa em geral e da paisagem de Capri em particular, resultado da implacável especulação imobiliária ligada ao desenvolvimento de um turismo selvático apenas movido pelo lucro imediato.

Partindo do sentimento de ter sido expulso do Paraíso, o escritor explora a construção e o desfazer do mito da ilha a partir da materialidade das suas paisagens e do breviário estético que a ilha lhe ensinara.

O colóquio pretende explorar algumas das pregas da reflexão de La Capria sobre a Paisagem, tomando a Europa como pano de fundo e convocando o olhar de diferentes disciplinas

Michael Jakob, Federico Silvestre López, Teresa Mora & Helena Pires, Isabel Lopes Cardoso, Francis Smith e Jürg Kreienbühl, António Medeiros, Paulo Simões Rodrigues, Rute Sousa Matos e Álvaro Domingues, Aurora Carapinha, Teresa Pacheco Pereira e João Mário Grilo estão entre os oradores e participantes neste colóquio promovido pelo Centro de História da Arte e Investigação Artística da Universidade de Évora (CHAIA).

A exposição resulta de uma parceria entre o CHAIA, o Museu de Évora, o CAM-Fundação Calouste Gulbenkian e o Museu Nacional de Soares dos Reis, contando com o apoio da Direção-Geral do Património Cultural, da Direção Regional de Cultura do Alentejo e da Fundação Calouste Gulbenkian.

Por Ângela Nobre

Deixar uma resposta