Em vésperas de mais um “Concerto Mais Pequeno do Mundo” André Sardet fala na 1ª pessoa de Pára, Escuta e Olha

Por Elsa Furtado (texto e fotos)

É já neste sábado, dia 17, no idílico cenário da Casa da Ínsua, em Penalva do Castelo – Viseu, que vai decorrer mais um “Concerto Mais Pequeno do Mundo”, desta vez com André Sardet, que vai apresentar aos ouvintes da Rádio Comercial e aos poucos privilegiados presentes no local, o seu mais recente trabalho: pára, escuta e olha, editado pela Farol.

Lançado em março último, este álbum marca o regresso do cantor aos discos, depois de Mundo de Cartão, dedicado aos seus filhos e aos mais pequenos e foi logo um grande sucesso, tendo subido em poucas semanas aos lugares cimeiros do Top Nacional de Vendas, chegando mesmo a número um, apenas cinco semanas depois do seu lançamento.

Em conversa com o C&H, André Sardet contou que, “Este trabalho surgiu em seguimento dos concertos realizados no âmbito do álbum acústico, em que deu para ter outro contato com o público e ver o que é que ele pretendia, indo assim ao encontro dos desejos dos fãs e do público em geral, esperando com ele igualar ou superar o sucesso deste”.

Um trabalho pensado e profundo que resultou no álbum pára, escuta e olha, mas porquê este nome? André Sardet explica-o assim: Pára – tem a ver com a paragem que eu fiz em 2010, para fazer um balanço do meu trabalho e do meu percurso, de 15 anos de carreira, Escuta – tem a ver com um processo de autocrítica, de ouvir tudo o que tinha feito até agora, e Olha – tem a ver com olhar em frente, para o futuro.”

Sobre este álbum, que surge depois do tão especial Mundo de Cartão, o cantor diz ainda ser um projeto muito diferente. “Este é um projeto simples, direto, o que faz dele um projeto difícil, pois é preciso simplificar a mensagem e a linguagem no mundo em que vivemos para chegar a quem nos está a ouvir. É um álbum que tem várias mensagens, e apresenta também um trabalho mais alegre, mais extrovertido, pois é importante também por o lado positivo num trabalho”.

Um lado que no fundo reflete também a vida do artista, pois como ele próprio afirma: “Todos este álbuns juntos fazem a minha vida, demonstram a minha identidade e a minha maturidade musical.”

Ao fim de 15 anos de carreira, André Sardet diz que “Neste momento sente uma grande responsabilidade para com o público e para consigo, e realça que o seu caminho das pedras demorou 10 anos  a percorrer.”

“Roubo-te um beijo” foi o tema escolhido para single, sendo um dos 12 que compõe este trabalho, como por exemplo “O Teu Calor é Fogo Posto”, “Pára, Escuta e Olha”, ou“Café”, todos eles repletos de ideais, mensagens, alegria e romantismo, como é tão característico da poesia, e da poesia na música, à semelhança de outras grandes canções escritas e cantadas em português, ou não fossemos nós um país de poetas e André Sardet um ilustre representante dessa nobre linhagem, que tanto nos orgulha.

Para quem não tem a sorte de poder estar presente ao vivo neste concerto tão especial e de cariz intimista, aconselhamos a que sintonize a rádio Comercial e oiça André Sardet a “roubar-lhe um beijo” ou a “fazer um café”.

Deixar uma resposta