Em exposição contestatária, MUDE declara que “É Proibido Proibir”

Discos, filmes, livros, peças de roupa ou de mobiliário e cartazes estão entre as 60 peças que integram a exposição “É Proibido Proibir”, que que está aberta ao público desde hoje, no MUDE – Museu do Design e da Moda, na Baixa de Lisboa, e que evoca o espírito contestatário de duas décadas particularmente revolucionárias: os anos 60 e 70.

“É proibido proibir!”, a frase cantada Mudeem 1968 por Caetano Veloso durante o movimento Tropicália, inspirou slogans como “Debaixo das pedras da calçada, a praia!” e “Quanto mais faço amor mais tenho vontade de fazer a revolução (e vice-versa)”, que traduzem o espírito de libertação, contestação e revolução sexual em curso. Foi precisamente a partir destes solgans que foi retirado o título da exposição.

O MUDE pretende evocar até  31 de Janeiro de 2010, um período “de forte contestação, experimentalismo, multiculturalismo, demolição dos estatutos e procura de uma plena liberdade”, diz o museu em comunicado.

A mostra, que coloca o enfoque no continente europeu, sobretudo em Itália e Inglaterra, Milão e Londres, organiza-se em núcleos temáticos sobre o espírito de contracultura e anti-design, a efemeridade e a performatividade das propostas, o estar em colectivo e o vestuário como protesto.

A organização adianta ainda que as peças apresentadas no museu “espelham a crise da sociedade de consumo, das instituições e da moral vigente que caracterizou a segunda metade dos anos 1960 e os primeiros anos de 1970”.

No primeiro andar do museu, transpostas as fitas que franqueiam a entrada em Londres, a música, as luzes, os vídeos e a espacialidade criada pelo arquitecto e cenógrafo José Manuel Castanheira remetem para outra época, levando a uma viagem pelo tempo. Cores marcantes – rosa choque, verde alface, branco – abrem o espaço a uma exaltação de cores e formas em que os protagonistas são as peças de design , que aqui surgem rodeadas de jogos de luz e som.

Planos desnivelados e oblíquos e seis caixas de luz, de branco e de música surpreendem. Cada caixa é um momento em que o visitante pode entrar e ouvir, recordando-se ou ouvindo pela primeira vez sons que marcam esse período.

O lado efémero do objecto também é destacado pela versatilidade de algumas peças expostas, caso do vestuário. Visto como forma de protesto, dá origem à moda que se ditava na rua, sobretudo em Londres que era a sua grande capital. Uma mistura: as maxi-saias que foram destronando a minisaia, símbolo da década, os vestidos e as túnicas deixando o corpo livre, a invasão de coloridos tecidos estampados, do unissexo, das roupas hippies, das maquilhagens psicadélicas, dos motivos psicadélicos e étnicos. Entre peças de criadores e peças em segunda mão, cada um criava o seu estilo.

Para reviver esta época, estão representados na exposição marcas e criadores como Ettore Sottsass, Aarnio, Pierre Paulin, Verner Panton, Joe Colombo, Gaetano Pesce, Piero Gatti, Cesare Paolini, Franco Teodoro, Roberto Matta, Courrèges, Emilio Pucci, Missoni, Mary Quant, Ossie Clark, S´angelo, Thea Couture Porter, Vivienne Westwood e Zandra Rhodes. As peças são confrontadas com vídeos, palavras e músicas da época.

Para conferir no MUDE, na Rua Augusta em Lisboa, até  31 de Janeiro de 2010.

Por Cristina Alves
Foto de Elsa Furtado

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.