Douro Jazz associa-se às celebrações das vindimas

A região do Douro realiza desde o passado dia 18 de Setembro e até 9 de Outubro, mais uma edição do Festival Internacional Douro Jazz, este ano na sua sexta edição, e que apresenta 66 concertos, por artistas provenientes de oito  países, num evento que se associa à celebração das vindimas.

douro_jazzOs vários eventos do festival vão decorrer nas cidades de Vila Real, Régua, Bragança, Lamego, Chaves e São João da Pesqueira, entre os quais se destacam os concertos pela Douro Jazz Marching Band, banda residente do festival, que interpretará músicas do género “Dixieland” e realizará também arruadas, numa evocação dos famosos desfiles de grupos de jazz em Nova Orleães, nos Estados Unidos.

Nos seis palcos onde vai decorrer o festival vão actuar também o Drugstore Cowboy Quartet de Inglaterra, do Brasil o baterista Paulo Braga, que foi parceiro de Tom Jobim e Elis Regina, a convite dos músicos portugueses Filipe Melo e Bruno Santos, os veteranos Les Zauto Stompers de França, Johannes Krieger da Alemanha, de Portugal os Groove 4tet  e ainda o projecto Amarelo Manga do Brasil.

Em destaque também nesta edição vai estar a apresentação da peça de George Gershwin Porgy and Bess, pela Orquestra do Norte, que convidou para actuar com ela o clarinetista francês Michel Lethiec.

A programação inclui também o lançamento do vinho Douro Jazz, da colheita de 2008, a realização de uma feira de objectos culturais produzidos na região,  e ainda as exposições fotográficas “Douro Jazz 2007 – Retrospectiva”, de David Araújo, e “Douro Jazz 2008”, de José Luís Santos.

Colaboram com a edição deste ano o Teatro de Vila Real, o Teatro Municipal de Bragança, o Teatro Ribeiro Conceição de Lamego, o Museu do Douro, a Chaves Viva-Associação Promotora para o Ensino e Divulgação das Artes e Ofíciosda região Flaviense e a Câmara Municipal de S. João da Pesqueira, entre outras instituições.

O  Douro Jazz resulta de uma parceria estabelecida em 2004, entre o Festival Internacional Douro Jazz e a região demarcada do Douro.

Texto de Cristina Alves

Deixar uma resposta