“Die Fledermaus” no Coliseu dos Recreios – em Lisboa, para uma récita única

A opereta  Die Fledermaus – O Morcego, da autoria de Johann Strauss morcego1II, considerada como uma das melhores e mais cómicas operetas de todos os tempos, é a obra escolhida pela produtora espanhola Ópera 2001, para uma noite única, no Coliseu dos Recreios de Lisboa, no próximo dia 10 de Março.

O Morcego – opereta em três actos foi escrita no século XIX  e apresentada pela primeiravez a 5 de Abril de 1874, no Theater an der Wien, na capital austríaca, repleta de ironias, enganos e desenganos, a sua acção tem lugar em Viena, mas podia-se passar noutra cidade qualquer.

morcego41Viena – 1870, véspera de um baile de máscaras na residência do príncipe Orlofsky, Gabriel Eisenstein deve-se apresentar na prisão para cumprir oito dias de pena por desacato à autoridade, mas o seu amigo o notário dr. Falke convence-o a não se entregar naquela noite e ir ao baile, pois tem um plano para se vingar dele.

Uns anos antes, Falke – mascarado de morcego foi a um baile de máscaras com o amigo Gabriel (mascarado de borboleta) e embebeda-se, no morcego3caminho para casa Felke cai num banco e adormece numa praça, sendo ali abandonado pelo amigo. No outro dia de manhã, o jovem acorda, ainda meio tonto e com os risos da população, que o baptiza imediatamente de Dr. Morcego, humilhado e envergonhado, este promete vingança, começando desde logo a elaborar um esquema contra  Gabriel Eisenstein.

Anos mais tarde, a oportunidade surge, com a realização de um novo baile, no palácio morcego2do príncipe russo Orlofsky, para começar Falken convence a sua empregada Adele a ir ao baile, tal como a mulher de Eisentein, Rosalinde, ambas com máscaras que as tornam irreconhecíveis, provocando assim muitas confusões no baile e depois na esquadra de polícia, onde os intervenientes vão parar no final da noite e a vingança do “Morcego” é concluída.

O espectáculo tem início marcado para as 21h30, no Coliseu dos Recreios em Lisboa e conta com a Orquestra, o Ballet e o Coro da Wienner Operetten, sob direcção musical de Martín Mázik, direcção artística de Alexander Herold e cenografia de Alfredo Troisi, para uma exibição rara em Portugal.

Os bilhetes variam entre os 10 euros para a galeria em pé, 35 euros a 1ª plateia e 210 euros um camarote de 1ª frente para seis pessoas.

fotos: Produção Opera 2001

Deixar uma resposta