D. Maria II leva a cena As Lágrimas Amargas de Petra Von Kant

O Teatro Nacional Dona Maria II leva a cena na Sala Estúdio a peça As Lágrimas Amargas de Petra Von Kant, de Rainer Werner Fassbinder e encenação de António Ferreira, com Custódia Gallego e Inês Castelo- Branco nas protagonistasque vai estar em cena até 6 de novembro, de quarta a sábado às 21h45 e domindo às 16h15.

Esta é uma das obras mais conhecidas do cineasta alemão do pós-guerra, Rainer Werner Fassbinder, As Lágrimas Amargas de Petra von Kant. O retrato da vida de Petra von Kant, uma estilista alemã de renome, foi o ponto de partida para Fassbinder refletir desde as relações amorosas ao papel do homem na sociedade moderna. A escolha desta peça acontece pela vontade de retirá-la dos anos setenta, onde foi fixada pelo cinema, e revê-la, quarenta anos depois, numa sociedade talvez igual ou talvez diferente.

Quando uma relação se estraga vem o nojo, o ódio. Os homens e a vaidade…pouco a pouco, vi que me tinha enganado com ele, comigo, e decidi acabar.Acabar com o meu amor por ele. Cheirava mal! Cheirava a homem. Tal e qual os homens cheiram. E a maneira como me possuía… Os homens são tão estúpidos. Também eu tive de lutar, e com força, muita força. As coisas são assim. Você tem uma bela figura Karin, merece uma oportunidade. Venha-me visitar quando puder. Eu vou fazer… de ti um modelo de grande classe.Palavra! És bela, Karin. Tudo está traçado de antemão, de uma maneira ou de outra. Tenho a certeza. Conheço-me, Karin. Não me aborrecerás. Conheço-me. Sinto-me muitas vezes sozinha. Juntas seremos felizes. Amo-te. Amo-te, Karin. Amo-te. Nunca, nunca senti amor por uma mulher. Sou louca, Karin, louca! É belo ser louco. É loucamente belo ser louco. Merda. Eu também, eu também!… Ora diz eu amo-te, Petra… Tens a pele mais bonita do mundo… e o mais bonito cabelo, e os mais bonitos ombros e… os mais bonitos olhos. Amo-te, amo-te, amo-te. Amo-te Karin. Poderia ficar eternamente abraçada a ti. Sim, mente-me. Por favor, mente-me. Dói-me tanto o coração. (excertos do texto original)

O realizador António Ferreira estreia-se no teatro com a encenação de um texto que já foi adaptado tanto para o cinema como para o teatro e conta com as interpretações de Custódia Gallego, Inês Castelo -Branco, Diana Costa e Silva, Cláudia Carvalho, Isabel Ruth e Paula Mora. Os figurinos são da autoria de José António Tenente e a cenografia é de Luísa Bebiano.

Texto de Clara Inácio
Foto de António Ferreira cedida pelo Gabinete de Comunicação do TNDM II

Deixar uma resposta