Contemporaneidade e Romantismo em harmonia a partir de hoje no palácio da Ajuda na Exposição de Joana Vasconcelos

06-expo_joana_vasconcelos (41)Reportagem de Elsa Furtado

São 37 as peças da autoria de Joana Vasconcelos que o público vai poder ver e apreciar a partir de amanhã, no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa, e entre as quais se destacam algumas novidades, propositadamente criadas para esta exposição.

Com um conceito completamente inovador, a artista plástica combina peças contemporâneas da sua autoria, nas quais usa materiais e técnicas das artes manuais portuguesas, como o crochet ou a cerâmica e peças decorativas, maioritariamente do século XIX, como tapeçarias, sedas francesas, porcelanas ou cristal.

As peças de Joana Vasconcelos estão dispostas ao longo do percurso habitual dos aposentos reais no Palácio da Ajuda, no Piso Térreo e no Andar Nobre, chegando mesmo algumas a misturarem-se e a confundirem-se com as peças da colecção permanente do Palácio, outras destacam-se pela sua escala grandiosa, como o “Coração Independente Vermelho”, “A Noiva”, “O Lilicoptère”, “A Royal Valkyrie”, “Carmen” ou a curiosa “Marlyn” – um par de sapatos feito com tachos e panelas, que está em disposição na Sala do Trono.

16-expo_joana_vasconcelos (99)

Destaque ainda para outras peças em que o crochet se mistura com a cerâmica Bordalliana, como é o caso de “Alorna”, “Amélia”, “Esther” e “Formentera”, entre outras.

Outra das grandes atracções desta inovadora exposição é sem dúvida alguma a instalação “Jardim do Éden” , criada especialmente para o Palácio e a peça “Destinos Cruzados”, em exposição na Sala da Música.

07-expo_joana_vasconcelos (44)Uma iniciativa inédita em Portugal, que pretende coniciar a “Contemporaniedade e a Tradição”, segundo a sua autora e que apresenta mais peças do que na exposição do Palácio de Versalhes em França, algumas delas bastante ousadas e inovadoras, com um cariz único e também “atrair mais visitantes ao Palácio Nacional da Ajuda”, nas palavras da Conservadora do Palácio Isabel da Silveira Godinho.

A exposição vai estar patente ao público até 25 de agosto e pode ser vista diariamente, excepto à quarta-feira, das 10h00 às 19h00, e sábado até às 21h00 por 10 euros (o bilhete normal) e 5 euros para jovens e estudantes, havendo ainda outras modalidades de bilhetes.

 

Deixar uma resposta