Começou a 1ª edição do FESTin-Festival Itinerante da Língua Portuguesa

Começou ontem, no cinema São Jorge, em Lisboa, o primeiro FESTin-Festival Itinerante da Língua Portuguesa, que tem como objectivo incentivar uma maior cooperação entre os países do espaço lusófono na produção cinematográfica. Desta forma, durante os seis dias de festival será apresentado o que há de novo nas produções cinematográficas de todos os países pertencentes à Comunidade Lusófona.

No total serão exibidos cerca de 40 filmes do espaço lusófono que se relacionem com a temática da inclusão social. Brasil, Portugal, Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Timor Leste estão representados no evento, que conta com seções competitivas de longas-metragens, curtas-metragens e documentários.

O filme de estreia do FESTin foi O Jardim de Outro Homem de Sol de Carvalho, a primeira longa-metragem de ficção em película, em 20 anos de cinema moçambicano, vencedor do Pan African Award Best Feature no Festival du Film Panafricain de Cannes e Festival des Afrique e des Iles.

No dia do encerramento e entrega de prémios, que acontece a 7 de Maio, será apresentado o documentário Contratempo, realizado pela actriz brasileira Malu Mader.

Para incentivar mais co-produções entre os países da CPLP, a organização irá atribuir um prémio de cinco mil euros em material técnico para o realizador da melhor longa-metragem.

Destaque ainda para Terra Sonâmbula, de Teresa Prata, a partir de um texto de Mia Couto, Contract, de Guenny Pires, O lendário Tio Liceu e os Angola Ritmos, de Jorge António (que estará em Lisboa), e Luanda, a fábrica da música, de Kiluanje Liberdade e Inês Gonçalves.

Do programa do festival fazem também parte duas mesas de discussão que terão lugar hoje e amanhã, 5 e 6 de Maio. A primeira tratará de “A cooperação cinematográfica na lusofonia” com a presença dos realizadores Sol de Carvalho e Jorge António, Tatiana Moura, produtora do filme Luto como Mãe, e Carolina Paiva, realizadora do filme Foliar Brasil. A segunda mesa de discussão terá como tema”Festival de cinema como fonte de atracção para o turismo”, com a presença da assessora do Conselho de Administração da Epal e também membro do Comitê de Juízes do EMYA (European Museum Year Award), Margarida Ruas, a directora do hotel NH Liberdade, Liliana Conde, o director executivo de Douro Film Harvest, Manuel Vaz, e a co-organizadora do Fest-Festival de Cinema e Vídeo Jovem de Espinho de 2003 a 2007 e produtora do FIKE em 2009, Patrícia Guedes.

Estes debates têm como objectivo abrir um espaço de discussão para essas duas temáticas tão importantes para a cinematografia nos países lusófonos.

Serão ainda realizados dois workshops: “Documentário para TV – Um novo modo de produção” e “Videoperformance – ARTE VJING”, ministrados, respectivamente, por Claufe Rodrigues (Rede Globo) e por Calebe Pimentel.

A participação nos workshops é gratuita, mediante inscrição através do site do FESTin.

Por Cristina Alves

Deixar uma resposta