Clube do Autor edita Deixa-me Entrar na Tua Vida de Margarida Fonseca Santos

“Três pessoas, três destinos unidos, três formas de lidar com a vida, os desgostos e os desafios. Os seus avanços e retrocessos, as suas esperanças e desilusões, os seus sonhos e perdas.”

Este é o enredo do mais recente romance de Margarida Fonseca Santos Deixa-me entrar na tua vida, lançado recentemente na Livraria Bertrand do Chiado (Espaço do Autor) sob a tutela do Clube do Autor e que tem como pano de fundo uma história contada a três vozes.

A sessão de apresentação, que contou com uma casa cheia de caras amigas, familiares e admiradores do trabalho da autora que já conta vários livros publicados, teve honras de apresentação a cargo da psicóloga e terapeuta familiar Margarida Cardo.

Durante a sua apresentação Margarida Cardo descreveu a autora como uma escritora que gosta de descrever os silêncios, mas acima de tudo como alguém que pinta os silêncios com uma caneta. O que está em causa é o que está dentro de nós, sublinha. “Deixa-me entrar na tua vida” submete-nos para os anos 80, em que não havia telemóveis, internet e onde a comunicação interpessoal é feita presencialmente, físico e mental presentes no mesmo espaço. Onde não há lugar para a fuga e onde a dissimulação é uma dança feita (quase consensualmente) por dois.

Como diz a Psicóloga, “A Margarida criva de vida as vidas dos protagonistas fazendo-nos sentir as suas dores, emoções e alegrias (…) A Autora pinta a vida. Vale a pena ler, vale a pena deixar-se sentir!”.

A grande temática do livro centra-se na questão de até que ponto se pode ajudar alguém (que quer ou não ser ajudado?) e o leitor é absorvido nas diferentes formas, descritas na primeira pessoa pelos três protagonistas (Alda, Luísa e Duarte), de lidar com a vida e com os seus desgostos e alegrias. Concluí-se que não podemos ajudar alguém que não deseja verdadeiramente ser ajudado e, provavelmente acima de tudo, que não se deve ajudar alguém sem antes olharmos para nós próprios.

As temáticas da solidão, da perda e o problema do alcoolismo são presenças indiscutíveis neste romance que nos prende da primeira à última página. Mas limitá-lo a isso seria castrador.

A autora admite que este não é um livro fácil, mas fê-lo por acreditar que tem que se escrever sobre estes temas porque é, também, uma forma de dar a mão a quem precisa de ajuda e a quem sente a necessidade de ajudar. Não deixa de referir a importância que é partilhar o conhecimento do sofrimento, sobre as portas que se abrem e que se fecham. Reconhece que muitas vezes somos nós quem as fechamos e há que saber abri-las.

Quanto ao leitor, este não pode deixar de se sentir preso a uma história que não é a sua mas que vai pedindo emprestada por se rever, também ele, em situações análogas suas e pessoais. O fato de serem três protagonistas dá azo a que o leitor consiga puxar a si características diferentes dos três quase criando um quarto elemento que vê de cima o desenrolar de uma história que não deixa nunca de surpreender o leitor até à última página.

Deixa-me entrar na tua vida é uma história com três visões diferentes contadas num mesmo tempo. É um livro que visita o lado de dentro das pessoas e que por isso mesmo abana o leitor e deixa-o em desassossego.

Mas afinal a Vida Real também é para ser contada!

Deixa-me entrar na tua vida, de Margarida Fonseca Santos em mais uma edição do Clube do Autor, com 212 páginas, encontra-se à venda por 13,80 euros.

Por Sandra Dias

3 Comentários

  1. Cara Margarida,
    Eu é que agradeço! O difícil foi parar de ler e depois disso conseguir parar de pensar nas formas em como o livro nos toca!
    Muito obrigada pelo seu comentário!
    Até breve,
    Um abraço
    Sandra

Deixar uma resposta