Centro Cultural De Cascais Apresenta Mostra Roque Gameiro – Uma Família de Artistas

Roque Gameiro – Uma família de Artistas é a mostra que está patente ao público até 22 de março, no Centro Cultural De Cascais. 

A exposição visa dar a conhecer a obra e a importância de Alfredo Roque Gameiro e da sua família no meio das artes plásticas nacionais.

A exposição centra-se nas duas primeiras gerações da chamada “tribo dos pincéis”: Alfredo Roque Gameiro, seus cinco filhos e dois genros casados com as filhas mais novas, e desenvolve-se em torno de quatro secções: “Retratos de Família” – reflete o carácter de uma família em que desenhar e pintar era tão natural como comer e conversar; “Aguarela”; “O Mar e a Orla Costeira” – corresponde a um dos temas que tornaram Alfredo Roque Gameiro mais conhecido: As aguarelas marinhas.

Finalmente, “Um Pouco de Tudo” ilustra a extensão do trabalho artístico de filhos e genros: pintura a óleo e têmpera, ilustrações pequenas e painéis gigantes, escultura e cinema, e muito mais.

Alfredo Roque Gameiro nasceu em Minde em 1864 e morreu em Lisboa em 1935. É considerado um dos grandes aguarelistas portugueses, tendo também desenvolvido uma intensa actividade como ilustrador.

Para além de obras da sua autoria podemos ver aqui obras da autoria da sua filha Raquel Roque Gameiro (1889-1970) que se distinguiu como aguarelista e ilustradora.

Manuel Roque Gameiro – filho (1892-1944) pintou aguarelas, que frequentemente assinava com o pseudónimo Manuel Migança (o nome com que assinou como caricaturista em vários jornais humoristas.

Helena Roque Gameiro – segunda filha (1895-1986) expôs pela primeira vez quando tinha apenas quinze anos. Pintou aguarelas a vida inteira. A paisagem rural e as flores do jardim foram os grandes temas da sua pintura.

Màmía Roque Gameiro – filha estudou pintura a óleo com Mily Possoz e realizou a primeira exposição individual em 1923. Ilustrou inúmeros livros infantis e publicações periódicas. miniaturista, nomeadamente em trabalhos de representação de histologia.

Ruy Roque Gameiro – filho mais novo, nasceu em 1906 na Amadora, formou-se na SNBA, onde expôs pela primeira vez em 1929. Recebeu vários prémios e ganhou vários concursos de escultura. Faleceu em 1935.

José Leitão Barros (1896-1967) – genro, casado com Helena Roque Gameiro, foi professor do ensino secundário, cineasta, dramaturgo, cenógrafo, jornalista e pintor. Deixou a pintura de aguarelas para se dedicar ao cinema.Organizou as marchas de Lisboa entre 1934 e 1935, foi secretário-geral da Exposição do Mundo Português, em 1940.

Jaime Martins Barata (1899-1970) – genro, casado com Màmía Roque Gameiro, iniciou no Liceu de Pedro Nunes a carreira de professor de desenho, frequentou as salas de desenho da SNBA, onde desenvolveu o interesse pela aguarela, da sua obra destacam-se pinturas de grande dimensão (óleo, têmpera, fresco); obras de cavalete (óleo, têmpera, aguarela, guache); e inúmeros selos, notas e moedas.

A mostra tem curadoria do Professor Luis Cabral coadjuvado pela Professora Raquel Henriques da Silva, e pode ser vista de terça-feira a domingo, das 10h00 às 18h00. As entradas estão à venda no local e custam 3 euros para o público em geral e 1,50 euros para os residentes.

Deixar uma resposta