Cantina da Estrela inspira-se em Fernando Pessoa para a nova carta de Outono/Inverno

Por Elsa Furtado

“A poesia é o alimento da alma como a comida é o alimento do corpo”, quem já não ouviu esta divisa?

O Grupo Lágrimas certamente, que mais uma vez promete inovar e foi buscar a inspiração em Fernando Pessoa para a elaboração da nova carta de Outono/Inverno, do restaurante Cantina da Estrela, no Hotel da Estrela, no típico bairro de Campo de Ourique, em Lisboa.

Da autoria da cozinheira Susana Rainha, que foi buscar inspiração à obra de Pessoa (algo parca em referências gastronómicas devido ao constante estado de “tesura” do poeta, aqui vizinho desta casa, (o restaurante fica instalado quase na mesma rua que a Casa Fernando Pessoa, última morada do poeta), os pratos agora apresentados vão também de encontro à tendência de “comfort food” de inspiração Mediterrânica atualmente em voga.

Sobre a nova carta, Miguel Júdice, responsável do Grupo Lágrimas, explicou ao C&H que: “A nova carta homenageia Fernando Pessoa em pratos retirados da sua obra, como por exemplo um “Bife do lombo suuper tenro com molho de dobrada, como gostava Fernando Pessoa”(em honra ao poema de Álvaro de Campos), uma “Empada de Coelho na Rocha” (o poeta viveu a 200m, na Rua Coelho da Rocha”, e um “Arroz doce com linhas de canela, em memória de Ophélia”.

Os pratos da nova carta são: Ovos à Senhor Professor com espargos verdes (em homenagem a todos os nossos professores) – para entrada, Salmão com sésamo e puré de chouriço,  Bife do lombo suuuuper tenro com molho de dobrada, como gostava Fernando Pessoa, Empada à Rua Coelho da Rocha, a última morada de Pessoa… e para sobremesa, Arroz doce com linhas de canela, em memória de Ophélia e Farófias 1, 2, 3.

  
Acompanhe a refeição com um vinho branco ou tinto (um Messias por exemplo) remate com um café, neste caso não da Brasileira como Pessoa tomava, mas Delta.Todos cozinhados com muito amor e servidos simpaticamente pela equipa jovem do restaurante. Os preços, como já é habitual nesta “Cantina”, são defenidos pelo cliente, num intervalo pré-definido, ou seja, paga mais ou menos consoante o seu grau de satisfação.

A terminar, ou a começar, consoante preferir, um cocktail exclusivo da casa: o Fernando Pessoa  com Absinto (a bebida preferida do poeta), xarope de amêndoa e lima.

Depois da refeição, é possível ainda ir até à biblioteca Fernando Pessoa  do hotel e descobrir as obras do escritor.

Para despedida, um excerto de um dos poemas de Pessoa que inspiraram tão saboroso e agradável repasto:

Ai, os pratos de arroz-doce
Com as linhas de canela!
Ai a mão branca que os trouxe!
Ai essa mão ser a dela!

Deixar uma resposta