Bienal dedicada a São Tomé e Príncipe em Lisboa

Os Pavilhões Branco e Preto do Museu da Cidade recebem duas exposições que integraram a 6ª edição da Bienal de São Tomé e Príncipe, Património(s) / Arte Contemporânea e Inventar(iar) as Roças de São Tomé e Príncipe.

Património(s) / Arte Contemporânea mostra criações inéditas, desenvolvidas em residência artística no arquipélago, por artistas dos cinco continentes, oriundos maioritariamente de países da CPLP. Este projeto contou com nomes como Amélie Bouvier (França), César Schofield (Cabo Verde), Ding Musa (Brasil), Eduardo Malé (São Tomé), Emeka Okereke (Nigéria), Flaviano Mindela (Guiné-Bissau), Ihosvanny Cisneros (Angola), Izoe (Timor Leste), João Bosco (Timor Leste), João Maria Gusmão e Pedro Paiva (Portugal), Katita Dias (São Tomé), Maimuna Adam (Moçambique), Mário Macilau (Moçambique), Misheck Masamvu (Zimbabué), Olavo Amado (São Tomé), Patrícia Corrêa (Portugal), René Tavares (São Tomé) e Valdemar Dória (São Tomé).

Inventar(iar) as Roças de São Tomé e Príncipe é uma exposição itinerante de arquitetura, dando continuidade ao trabalho de inventário e de investigação iniciado pelos arquitectos Duarte Pape e Rodrigo Rebelo de Andrade em 2007, com base nas antigas estruturas agrárias de cacau e café. Estruturas essas que estiveram na base do desenvolvimento territorial, patrimonial e económico nos séculos XIX e XX.

Paralelamente inauguram exposições em três galerias de Lisboa, na gAD – galeria Antiks Design apresenta-se Africando, uma coletiva de artistas das Bienais de São Tomé e de outras geografias, na Galeria Graça Brandão uma coletiva de César Schofield Cardoso, Maimuna Adam e René Tavares e na Influx Contemporary Art uma mostra de fotografia de Mário Macilau.

A Bienal de São Tomé e Príncipe realiza-se desde 1995, sob a coordenação de João Carlos Silva. Em 2007 foi reestruturado pela curadora Adelaide Ginga. A organização é da Associação Cultural Bienal de São Tomé e Príncipe, que tem como objetivo dar uma projeção internacional ao evento e transformar aquele antigo entreposto de escravos num atual entreposto cultural num espaço de partilha, experimentação e enriquecimento.

Texto de Clara Inácio

Deixar uma resposta