ARCO Lisboa Decorre De 18 A 21 De Maio Na Cordoaria Nacional Em Lisboa

A ARCOlisboa 2017 arranca já no próximo dia 18 e vai prolongar-se até dia 21 de maio, na Cordoaria Nacional. Nesta 2ª edição vão marcar presença 58 galerias de 13 países, (das quais 50 integram o Programa Geral e  8 o novo programa Opening, dedicado a jovens galerias com menos de sete anos de existência); colecionadores e profissionais do circuito internacional.

Entre as galerias nacionais destaque para Cristina Guerra, Pedro Cera, Vera Cortês, Murias Centeno, Quadrado Azul, Fernando Santos, Pedro Oliveira, Mário Sequeira (Açores – Fonseca Macedo), entre outras seleccionadas pelo Comité Organizador.

Entre as estrangeiras vão marcar presença a galeria Elba Benítez, Juana de Aizpuru, Giorgio Persano, Nueveochenta, Vermelho, Monitor, Zak Branicka, entre outras.

Sob o conceito de Artista Destacado, os visitantes centrarão as atenções em torno das obras que abarcam as vanguardas históricas, os clássicos contemporâneos e a arte atual.

A nova secção Opening contará com a participação de 8 galerias nacionais e internacionais com menos de sete anos de existência, selecionadas por João Laia, escritor e curador português, como Francisco Fino, Hawaii-Lisbon, Madragoa ou Pedro Alfacinha, em diálogo com outras galerias internacionais como Bwa Warszawa, Dürst, Britt & Mayhew, José García ou Narrative Projects e onde se poderão observar os trabalhos de artistas emergentes como Renato Leotta ou Karlos Gil bem como criadores de renome internacional como Erwin Wurm, José Pedro Croft, João Louro, Sergio Vega, Nathaniel Mellors, Carlos Garaicoa, juntando peças mais clássicas dos mestres contemporâneos – Picasso, Vieira da Silva, entre outros -, em galerias como Leandro Navarro, João Esteves de Oliveira ou José de la Mano.

O programa conta ainda com a presença de editoras e livrarias portuguesas independentes no espaço As tables are shelves, sob a seleção de Luiza Teixeira de Freitas e Ana Baliza. Este espaço pretende descobrir novos conteúdos editoriais e será complementado com a presença de outras revistas e publicações nacionais e internacionais relacionadas com a Arte Contemporânea, explicou a organização aquando a apresentação.

Paralelamente tem também lugar um programa de debate e reflexão em torno da atualidade criativa. O Fórum, que congregará destacados profissionais de mais de 20 países, pretende realizar várias conferências e conversas.

E no auditório da Casa da América Latina terão lugar as Master Talks, sessões abertas ao público, com três Master Class pela mão de Manuel Borja-Villel, James Lingwood e Hans Ulrich Obrist, apresentadas por Filipa Oliveira.

Este ano, e pela primeira vez, tem também lugar o encontro dos Museus da Europa e do Espaço Ibero-americano, no âmbito da Lisboa Capital Ibero-americana da Cultura 2017, conduzido por Juan Gaitán e Pedro Gadanho, que trará mais de 20 diretores e curadores de instituições dos dois lados do Atlântico.

Este encontro privado terá como tema A ideia e o papel do museu contemporâneo, e contará com a participação de profissionais como Stephane Aquin – Hirshhorn, Washington, Julia Charlton – WAM Wits Art Museum, Joanesburgo; Iwona Blazquez – Whitechapel, Londres; Raphael Chikukwa – National Gallery of Zimbabwe, Harare; Suzanne Cotter -Museu Serralves, Porto; Barbara Coutinho – Museu do Design e da Moda, Lisboa; Penelope Curtis – Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa; João Fernandes – Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía, Madrid; Marta Gili – Jeu de Paume, París; María Mercedes González – MAAM, Medellín; Stefan Kalmár – Institute of Contemporary Art, Londres; Abdellah Karroum – MATHAF Arab Museum of Modern Art, Doha; Evendro Salles –MAR, Rio de Janeiro; Dirk Snauwaert – WIELS, Bruxelas; Joana Sousa Monteiro – Museu de Lisboa, Lisboa; Benjamin Weil – Centro Botín, Santander.

João Laia presidirá a outro encontro, à porta fechada, com 8 curadores internacionais como Gudny Gudmundsdottir; Lissa Kinnaer; Martha Kirszenbaum; Kestutis Kuizinas; Steven Op de Beeck; Yve Stevenheydens.

 Durante a realização da ARCO vários museus e galerias associam a sua programação à da iniciativa com a realização de algumas iniciativas: Serralves mostra-se no Torreão Nascente da Cordoaria numa exposição intitulada O Olhar do Artista, com obras de Helena Almeida, Lourdes Castro, Wolfgang Tillmans, Richard Serra e Paula Rego, entre outros; no MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia os artistas João Onofre, Ana Pérez-Quiroga e Carlos Garaicoa inauguram exposições; no Museu do Oriente, a mostra O Olhar da Sibila: Corporalidade e Transfiguração exibe obras de Vieira da Silva, Noé Sendas, Ângela Ferreira ou Julião Sarmento; o Museu Nacional de Arte Antiga inaugura Madonna: Tesouros dos Museus do Vaticano, conjunto de 50 obras de diferentes épocas, pertencentes às famosas coleções de arte do Vaticano, que vão estar pela primeira vez me Portugal e incluem trabalhos de artistas tão diversos como Fra Angelico, Rafael ou Marc Chagall.

E ainda Utopia / Dystopiacomissariada por João Laia -, de artistas como Carlos Garaicoa, Ana Pérez-Quiroga e João Onofre, no MAAT -Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia -; Pedro Neves Marques no Museu Coleção Berardo; José Pedro Croft, no Chiado 8 – Espaço Fidelidade arte contemporânea / Mace-; Paloma Bosque, no Pavilhão Branco – EGEAC -; Almada Negreiros e Manuela Marques, no Museu Calouste Gulbenkian; Julião Sarmento, Helena Almeida, Jorge Molder, Alberto Carneiro, na Culturgest; Francisco Tropa, na Fundação Carmona e Costa. Outros espaços apresentarão a obra de artistas como Jorge Martins, Vieira da Silva, Arpad Szénes, Ana Vidigal, no Museu Arpad Szénes Vieira da Silva; Pedro Cabrita Reis, no Pavilhão 31 – no Hospital Psiquiátrico Júlio de Matos.

Como parte da programação, cada manhã – entre 17 e 21 de maio -, numa das zonas de galerias da cidade, celebrar-se-á a abertura especial e o brunch das Galerias da ARCOlisboa.

A Feira é organizada pela IFEMA e conta com o apoio da Fundação EDP, da Câmara Municipal de Lisboa, do Ministério da Cultura, da EGEAC, do Turismo de Portugal e do Turismo de Lisboa, entre outras instituições públicas e entidades privadas.

A ARCOlisboa 2017 estará aberta ao público de 18 a 21 de maio, das 12h00 às 20h00h e até às 18h00h no último dia.

Deixar uma resposta