Alvalade regressa ao passado com a 10.ª Feira Medieval

As personagens que faziam parte do imaginário da população há cerca de 500 anos atrás vão regressar, encarnados por figurantes voluntários e por visitantes entusiastas, para marcar presença na Feira Medieval de Alvalade, que decorre nos dias 14, 15 e 16 de setembro na vila do interior do concelho de Santiago do Cacém.

Animação de rua, com um cenário decorado a rigor pela própria população local, cortejos, música, mercadores, artesãos, arraiais e arruadas, provas de arco, trovadores e torneios de armas a cavalo contribuem para levar os perto de 20 mil visitantes esperados numa viagem histórica, que celebra os 502 anos da atribuição do Foral Manuelino a Alvalade.

Este ano, a novidade é mesmo a aposta no “imaginário medieval”, recuperando várias personagens, como bruxas, feiticeiros e demónios, que faziam parte da crença e da cultura dos povos da época.

Além da feira e das animações, também não vão faltar os “comeres e beberes tradicionais”, com um cardápio à medida do evento, que inclui “caça” e “viandas da corte” acompanhadas por “beberes suaves ou fortes” nas “tabernas dos burgos”.

A 10.ª edição do certame, que vai animar a localidade alentejana durante três dias, conta com mais de 400 figurantes, entre população local, voluntários e visitantes.

Descrita pela organização, a cargo de entidades associativas locais, como uma “aula de história ao vivo”, a Feira Medieval de Alvalade abre portas na sexta-feira, dia 14, pelas 18h00, com um cortejo pelas “ruas e praças do burgo”, seguida da abertura da zona de “comeres e beberes”, bem como, pelas 20h, da “leitura da Carta Régia em que se faz mercê ao concelho com o aprazamento da feira para as duas jornadas seguintes”.

A noite continua com um “sermão do pregador de fora sobre os malefícios e as tentações demoníacas” e ainda com um “juízo de heréticos”. O certame reabre portas no sábado pelas 12h00, com as atividades dos mercadores e artesãos. Ao longo de todo o fim-de-semana há animação pelas sete ruas e duas praças convertidas numa Alvalade Medieval, com mais cortejos, a leitura da Carta de Foral, apresentação de escudeiros “de linhagem”, acrobatas, malabaristas, contadores de histórias, danças mouras, espetáculos de fogo e saltimbancos.

Os “festejos” encerram no domingo, pelas 24h00, depois de três dias de folia medieval. Mas a celebração dos 502 anos da atribuição do Foral Manuelino à vila de Alvalade não fica por aqui. No Dia do Foral, assinalado a 20 de setembro, pelas 21h00, vai ser inaugurada uma exposição que faz uma retrospetiva dos 10 anos do certame, sob o tema “Viagem num tempo Medieval”.

Por Ângela Nobre no Litoral Alentejano

Deixar uma resposta