Albertina em Viena apresenta a primeira retrospectiva da obra de Max Ernst na Áustria

foto_albertinaO museu Albertina em Viena, inaugurou a primeira retrospectiva na Áustria, da obra de Max Ernst, considerado o “grande inventor pictórico” , no âmbito de uma exposição de 180 obras do artista.

A mostra inclue pinturas, colagens, esculturas, assim como exemplos de livros e documentos ilustrados. A exposição reúne todas as fases da sua obra, descobertas e técnica do artista , apresentando a sua vida e obra num contexto biográfico e histórico.

Max Ernst era uma personalidade inquieta, que sempre lutou pela liberdade. Dividido entre a realização de seus objetivos pessoais na vida e os obstáculos políticos e sociais durante um período turbulento, ele, no entanto, sempre olhou para a frente: a “fuga para o futuro”. Um artista incompreendido e revoltado, mudou-se para Paris em 1922, onde se juntou ao círculo dos surrealistas, aí foi detido como alienígena hostil duas vezes, tentou fugir, e foi liberado graças à sorte “coincidências”. Em 1941 fugiu para a América.

Lembrança, descoberta, reciclagem e colagem foram o motor combinado que o levou em seu trabalho. Sob esses aspectos, a exposição posiciona  a obra de Max Ernst, entre referências ao passado, eventos políticos contemporâneos, e uma perspectiva profética e visionária do futuro. Ele que atestou a si mesmo um “complexo de virgindade” em face de telas vazias foi sempre em busca de meios que lhe permitam aumentar as capacidades alucinatórias de sua mente, de modo que as visões que surgem automaticamente para “livrá-lo de sua cegueira “.

albertinaA exposição foi preparada em  colaboração com a Fondation Beyeler e tem como curadores convidados Spies Werner e Julia Drost.

A Retrospetiva de Max Ernest pode ser vista diariamente das 10h00 às 18h00 e à quarta-feira até às 21h00, até dia 5 de maio de 2013. O preço do bilhete de acesso à exposição e é o mesmo do museu e custa 11,90 euros.

 

 

Texto de Dolores Barroso em Viena

Fotografia da Albertina de Francisco Padrão Mota

 

Deixar uma resposta