A Última Fronteira – Lisboa em tempo de Guerra é a nova exposição do Torreão Poente do Terreiro do Paço em Lisboa

expo_torreaoA exposição A Última Fronteira – Lisboa em Tempo de Guerra vai estar patente no Torreão Poente do Terreiro do Paço, em Lisboa, a partir do dia 19 de julho, mantendo-se aberta ao público até ao dia 15 de dezembro.

Comissariada por Margarida de Magalhães Ramalho e António Mega Ferreira, esta exposição pretende mostrar a cidade de Lisboa enquanto porto de abrigo e de chegada de milhares de refugiados europeus durante a Segunda Guerra Mundial, tendo como ponto de partida o livro de Margarida de Magalhães Ramalho, Lisboa Uma Cidade em Tempo de Guerra (INCM, 2012).

A mostra conta com fotografias, documentos, reproduções de cartazes publicitários, mobiliário doméstico e urbano, mobiliário comercial (CTT), trajes e objectos de decoração, maquinaria de comunicação, filmes, acessórios, com o objetivo de retratar esta época, que pretendem dar a conhecer os anos do conflito mundial em Lisboa assim como as várias pessoas envolvidas desde espiões, refugiados judeus, exilados políticos, aristocracia europeia, membros de famílias reais, artistas de cinema, escritores famosos, entre outros.

A Última Fronteira – Lisboa em Tempo de Guerra aborda os temas “A chegada à capital portuguesa”; “Lisboa nos anos 40”, mostrando fotografias inéditas do arquiteto Nuno Teotónio Pereira; “A cidade prepara-se para a guerra”; “A importância dos Correios na vida dos refugiados”; “A Espera”; “Informação e propaganda”; “Lisboa, paraíso da espionagem internacional”; “Os meandros da burocracia necessária à obtenção de vistos para outros países”; “A partida e o final da guerra”.

A exposição pode ser visitada todos os dias, entre as 10h00 e as 20h00, e tem legendas em inglês e português; o preço do bilhete é de 3 euros, existindo alguns descontos para famílias (8 euros para famílias de quatro pessoas), para estudantes e reformados (2 euros), grupos escolares (1 euro) e gratuito para desempregados. 

O patrocínio é da Câmara Municipal de Lisboa, com organização da Direção Municipal da Cultura e da EGEAC.

Texto de Joana Resende

Deixar uma resposta