A Companhia Nacional de Bailado apresenta A Bela Adormecida

A Companhia Nacional de Bailado apresenta a história clássica  A Bela Adormecida, com coreografia de Ted Brandsen, segundo o argumento de  Charles Perrault e música de Piotr Ilitch Tchaikovski. A cenografia e figurinos são de António Lagarto. A música é pela Orquestra Metropolitana de Lisboa, sob a direcção musical de  Pedro Neves. A estreia é dia 8 de Março, pelas 21h00.

A Bela Adormecida é um conto de fadas com diversas versões, sendo a mais conhecida a dos irmãos Grimm, publicado em 1812, que terá por base a versão de 1697, do escritor francês Charles Perrault, retirada do livro Contos da Mãe Ganso, que se terá inspirado no conto do italiano Giambattista Basile. Em Janeiro de 1890 é estreada a primeira versão para bailado, encomendada ao compositor Tchaikovsky e com coreografia de Petipa. Tchaikovsky segue o argumento de Perrault. Em 1998 a CNB estreou A Bela Adormecida, com coreografia do  holandês Ted Brandsen que agora volta a ser apresentada.

O Ensaio Geral  no dia 7 de Março, pelas 21h00 vai ser Solidário a favor da Associação Portuguesa de Portadores de Trissomia 21. Um donativo permitirá o acesso ao ensaio antes da estreia e apoiará as acções desta instituição.

Os bilhetes custam entre os 5 euros e os 35 euros, conforme o lugar escolhido. Os jovens menores de 18 anos tem 50% de desconto, os jovens até 25 anos e maiores de 65 tem 35% de desconto e grupos de mais 15 elementos tem 25% de desconto. As tardes de família (dias 11 e 18, às 16h00) permite aos adultos acompanhados de jovens menores18 anos pagarem 10 euros e a esses jovens pagarem 5 euros. As escolas (dia 15, às 15h00) usufruem de condições especiais, 5 euros por aluno e os professores não pagam. Os bilhetes estão à venda no Teatro Camões, de quarta a domingo, das 13h00 às 18h00 e nos dias de espectáculo até meia hora após o início do mesmo; no Teatro Nacional de São Carlos, de segunda a sexta-feira, das 13h00 às 19h00.

A Bela Adormecida vai estar em cena no Teatro Camões, de 8 a 18 de Março.

Texto de Clara Inácio

Deixar uma resposta