8ª Edição Do FESTin Arranca Hoje Em Lisboa

A oitava edição do FESTin – Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa arranca esta quarta-feira, 1 de março, no Cinema São Jorge e no Instituto Cervantes, em Lisboa, e prolonga-se até dia 8. Entre os destaques do festival, dedicado à cinematografia dos países de língua portuguesa, estão o papel feminino no audiovisual e o cinema de autor.  

O festival terá a antestreia lisboeta de dois novos projetos portugueses: Uma Vida à Espera, a terceira longa-metragem de Sérgio Graciano (de Assim Assim e Njinga) que se afasta do formato mais acessível dos seus trabalhos anteriores para propor a imersão na vida de um sem-abrigo que perambula pelas ruas da capital à espera de uma carta e A Floresta das Almas Perdidas, de José Pedro Lopes, filme com estreia mundial no Fantasporto, que acompanha a experiência de dois personagens que se encontram num lugar para onde costumam ir os suicidas.

Entre os filmes da competição, Quase Memória, protagonizado por Tony Ramos e um trabalho semiautobiográfico de ícone do Cinema Novo, Ruy Guerra, e Prova de Coragem, obra de Roberto Gervitz trazem a Portugal a atriz brasileira Mariana Ximenes. Também Domingos de Oliveira vai marcar presença no FESTin para apresentar BR 716, obra filmada em estilo da Nouvelle Vague para fazer uma leitura muito particular das esperanças dos anos 60. Protagonizada por Caio Blat, tem participação de Pedro Cardoso, que estará também em Lisboa para apresentar o filme.

Numa fase particularmente próspera para o cinema brasileiro, a competição do FESTin funciona como a melhor montra em Portugal para os filmes do país. De um dos mais emblemáticos polos de produção, Pernambuco, chegam o último trabalho de um dos seus grandes nomes, Cláudio Assis com Big Jato, e o provocador Animal Político, obra de estreia de Tião. Destaque ainda para Comeback, uma melancólica abordagem da terceira idade através da velhice de um ex-assassino de aluguer, e Para ter onde Ir, um road movie pelas paisagens amazónicas do Pará.

Fora de competição, o festival abre com o brasiliense O Outro Lado do Paraíso– baseado na obra do escritor Luiz Fernando Emediato, que virá a Lisboa para apresentar o filme –  traz um drama com contornos mais clássicos, No encerramento, no Dia da Mulher, é apresentado Elis, um  filme biográfico sobre o ícone da música brasileira, Elis Regina, com a presença da atriz Andreia Horta e do realizador Hugo Prata, e que encerra o festival.

O papel feminino na história do audiovisual português é igualmente observado na mostra de alguns trabalhos da realizadora Margarida Gil. Nascida na Covilhã , com uma extensa carreira no cinema e na televisão,  seus filmes mais emblemáticos – caso de Rosa Negra (1992), que fez parte da competição no Festival de Locarno, O Anjo da Guarda (1998), Adriana (2004), O Fantasma de Novais (2012) e Paixão (2012) serão exibidos durante o festival.

Pelo festival vão ainda passar Pedro Cardoso (de A Grande Família), Sérgio Graciano, José Pedro Lopes (com A Floresta das Almas Perdidas) e Margarida Gil.

Entre o dia 3 e 8 de março, o Instituto Cervantes promove uma retrospetiva sobre o cineasta cubano Tomás Gutiérrez Alea (Titón). A inauguração acontecerá no dia 3 de março, pelas 21h00 horas na Sala 3 do Cinema São Jorge com a projeção do documental: Titón: de La Habana a Guantanamera, apresentado pela sua viúva, a reconhecida atriz e realizadora Mirta Ibarra. O ciclo continua no Instituto Cervantes no dia 6, com Guantanamera; no dia 7 com Memorias del subdesarollo; e no dia 8 com Fresa y Chocolate. Sempre às 18h30 e com entrada livre. 

Para os mais pequenos a Festinha este ano passou a ser competitiva, com um júri de adultos e outro composto apenas por crianças, que vão atribuir uma menção honrosa a um dos trabalhos selecionados. E inclui uma sessão de curtas-metragens para crianças a partir dos 3 anos (Ilha das Crianças, Asas, Lipe o Avô e o Monstro); uma de curtas (O Projeto do Meu Pai, Hora do Lanchêêê, Pequenos Animais Sem Dono, Meninos e Reis) e um longa-metragem para os acima de 6 anos: As Aventuras do Pequeno Colomboe dois filmes de longa duração para maiores de 12 anos: Jacqueline, Mississipi e Lua em Sagitário.

Deixar uma resposta