1ª noite de Delta Tejo: Natiruts e Skank em destaque

O reggae das bandas brasikeiras Natiruts e Skank esteve em destaque, na primeira noite do festival Delta Tejo, dedicado aos países produtores de café e que se prolonga até domingo, dia 5 de Julho, no Alto da Ajuda em Lisboa.

delta_tejo_skank

A primeira noite do festival, que este ano decorreu mais cedo do que nas edições anteriores, foi animando aos poucos. A abertura das portas decorreu às 16h00, mas a música só começou mais tarde, com os brasileiros Monobloco, que desfilaram pelo recinto, ao jeito do melhor carnaval baiano, tendo subido depois ao palco Delta, o espaço principal do recinto, para um concerto de boas vindas.

Seguiram-se por aqui os Orishas, os Buju Banton e os Bajofondo Tango Club, mas a noite pertenceu mesmo foi aos brasileiros Skank, que entre aplausos e muita animação cantaram “Billie Jean” em tributo a Michael Jackson, entre alguns dos seus maiores sucessos.

delta_tejo_montanha

No palco secundário – Jogos Santa Casa, os concertos sucederam-se, chegando a haver momentos de actuações simultâneas nos palcos principais. Aqui actuaram os portugueses Macacos do Chinês e a nigeriana NNeka, mas foi outra banda brasileira, com música reggae que surpreendeu e pôs  o público a dançar- os Natiruts. Pouco conhecidos em Portugal, este slide DT09grupo foi a grande surpresa da primeira noite do Delta Tejo, prometendo bons auspícios para as  seguintes.

Depois dos concertos foi a vez dos djs Snowboy e Katembe Sound System porem os festivaleiros a dançarem no Beck’ Stage.

Fora dos palcos, o slide gigante e a montanha russa tentavam conquistar os mais corajosos, que pouco a pouco foram enchendo o espaço no Alto da Ajuda, numa noite que se revelou amena, sem grandes surpresas climatéricas, mas muito animada, com cheiro a Verão e a café.

Logo há mais. Na habitual noite reservada às mulheres, actuam os portugueses Per7ume, Deolinda, Sara Tavares, os brasileiros Bossa Nossa e a muito esperada Vanessa da Mata, entre outros, sempre com o Tejo em fundo.

fotos de: Francisco Lourenço

1 Comentário

Deixar uma resposta